Encontre-nos no FacebookTwitterAssista aos videos do YoutubeRSSE-mail

A salvação da lavoura do imperialismo

A política de submissão das instituições brasileiras frente ao poder das corporações imperialistas, principalmente na área agrícola, coloca o Brasil como o maior consumidor de agrotóxicos da América Latina e, na mesma categoria, o terceiro maior do mundo. Em todo o planeta crescem as resistências das populações contra o uso indiscriminado desses produtos altamente prejudiciais à saúde humana.

Os pesquisadores Maria Erbene da Ponte
e José Júlio da Ponte

No Brasil aplica-se na agricultura até 40 kg de substâncias tóxicas por hectare, principalmente em lavoura de tomate e outros legumes que muitas vezes são consumidos crus ou frescos. O Planalto — do gerenciamento militar à atual administração — nada tem feito para mudar essas políticas de favorecimento das corporações estrangeiras, que lucram fortunas e provocam inúmeros males à população do país.

Está comprovado: entre inúmeras disfunções orgânicas os agrotóxicos provocam malformações fetais, impotência e esterilidade sexuais, aborto, câncer, cirrose hepática, loucura.

O governo é conivente com o problema, a ponto das corporações estrangeiras transmitirem ordens às entidades que normatizam os órgãos que deveriam fiscalizar e controlar o uso de agrotóxicos. E o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) é acusado de praticar a mais absurda burocracia e entraves técnicos para aprovar patente de produtos que venham fazer frente à ganância dessas corporações, ou mesmo quando se trata de defender os altos interesses nacionais, seja no campo econômico, agrícola, ecológico ou da saúde pública.

José Júlio da Ponte, professor-emérito da Universidade Federal do Ceará (UFC), livre docente na cadeira de Fitopatologia do Curso de Agronomia, com inúmeros trabalhos e teses publicadas, inclusive em edições científicas da Europa e USA — há quase dois anos aguarda a aprovação do pedido de patente junto ao INPI (processo nº PI0203896-0), sob o título Produção de Manipueira em pó para utilizar como insumo agrícola: Defensivo e Fertilizante, uma descoberta que tem mais de 20 anos de cuidadosa pesquisa.

"Uma burocracia infernal", diz o professor Júlio da Ponte que certa vez pleiteou uma pequena quantia de seis mil reais junto ao Ministério da Ciência e Tecnologia para dar prosseguimento aos seus estudos. No entanto, o que recebeu foram conselhos de alerta de que o "lobby" das empresas atuava fortemente contra as pesquisas desse nível — como se esse fosse um território de origem da corporação estrangeira e o "conselho" que lhe forneceram a única prerrogativa legal a que tivesse direito. As quadrilhas dirigidas pelas corporações têm tanta força que não é aconselhável recorrer à negação de pleitos dessa natureza.

No entanto, esse exagerado investimento em agrotóxicos não correspondeu, em nosso país, a uma redução significativa das perdas agrícolas em razão das pragas e doenças. Em muitos casos, os resultados foram, até mesmo contra-producentes, em função da intensidade dos desequilíbrios biológicos causados pelo coquetel de pesticidas utilizados, culminando com o extermínio dos inimigos naturais das pragas e fitomoléstias. A intensidade do uso desses produtos que reconhecidamente destroem funções vitais do organismo humano, chega ao absurdo deles nem conseguirem mais combater as pragas.

C&T & proteção ao invasor

O relatório do pesquisador cearense, eleito Man of the year/1997 (Homem do ano/1997) pelo American Bibliographical Institute (USA) — uma dessas renomadas instituições de ciência e tecnologia, C&T, como dizem — acrescenta ainda que "no período de quase dez anos (1976/85) aumentou em 500% o consumo de agrotóxicos no Brasil, enquanto que, no mesmo período, registrava-se um aumento de produtividade de 5% apenas." Um ganho que, além de irrisório, não pode ser creditado exclusivamente a pesticidas. A enorme discrepância entre tais números sinaliza o malogro de tão pesado investimento em agrotóxicos.

Não obstante, por força de uma campanha antinacional tenaz e massificante, indo da avassaladora e constante contra-propaganda nos meios de comunicação à corrupção de pesquisadores e técnicos, o faturamento das corporações agroquímicas continua em alta. Assim, de 1993 a 1997, as vendas cresceram em 104%, passando de U$ 1.050 bilhão para U$ 2.161 bilhões (Folha de São Paulo, 03/03/1998). Relevantes foram também os "impactos ambientais", a contaminação de alimentos e as intoxicações de agricultores e consumidores. Os casos de intoxicações instantâneas (sem considerar as consequências a médio e longo prazo) cresceram em 65%. No extremo oposto, os ganhos de produtividade continuaram irrelevantes. Mas, seguramente, no doce embalo de tão polpudo faturamento, isto pouco importa aos fabricantes de pesticidas.

Para o professor Júlio da Ponte, é "difícil, fazer ciência e pesquisa no Brasil". Seu projeto no INPI já passou por várias exigências burocráticas e ele acredita que tão cedo não será aprovado. Mas denuncia que gente da direção da Associação Nacional de Defesa Vegetal é defensora dos fabricantes de produtos fitossanitários. A verdade é que os agrotóxicos de última geração são mais caros e mais tóxicos, aumentam o custo da produção e prejudicam a saúde humana. Essa consciência foi o motivo maior para o esforço do professor e o prosseguimento de sua pesquisa.

Determinado a defender seus projetos de interesse nacional, ele iniciou na universidade, em 1979, uma linha de pesquisa com o objetivo de descobrir um defensivo natural a partir de extratos e derivados naturais. A manipueira (subproduto da mandioca) — a palavra é originária do tupi: mani (mandioca) e pueira (resto, resíduo) — foi sucessivamente testada como nematicida, inseticida e fungicida, mostrando excelentes resultados para todas essas finalidades.

A partir daí, sua fama no meio científico teve reconhecimento internacional. Quando a OEA o distinguiu como um dos três fitopatologistas brasileiros mais atuantes, despertou a ira das multinacionais. Formado em agronomia em 1958, o professor Júlio da Ponte passou a ser membro da fechadíssima "New York Academy of Sciences". Autor de oito livros — entre eles um que é indicado em todas as faculdades de agronomia brasileira: Doenças de Plantas — e mais de 500 trabalhos científicos publicados, entre artigos, monografias e conferências, o cientista tornou-se também um dos maiores críticos da academia sobre os efeitos do uso indiscriminado dos agrotóxicos no Brasil.

Seus alertas aos produtores e às autoridades, em entrevistas à imprensa e conferências sobre os males causados pelo uso contínuo dos produtos químicos, provocaram imediata reação dos fabricantes, lembra sua esposa, a pedagoga Maria Erbene da Ponte, pesquisadora e assistente do professor. Erbene, co-autora do invento que está sendo analisado no INPI, denuncia que até ameaças de morte o pesquisador já recebeu. Supostamente, tratam-se de pessoas ligadas à fabricação e venda de agrotóxicos.

Composição química da manipueira em pó comparada a da manipueira líquida

Componentes
Manipueira
Macronutrientes Em pó (%) Líquida (ppm)
Potássio (K) 6,72 1.183,5
Nitrogênio (N) 1,00 425,5
Magnésio (Mg) 0,37 405,0
Fósforo (P) 0,29 259,5
Cálcio (Ca) 0,28 227,5
Enxofre (S) 0,10 195,0
Micronutrientes mg/kg ppm
Ferro (Fe) 5.355,00 15,3
Manganês (Mn) 109,00 3,7
Zinco (Zn) 22,00 4,2
Cobre (Cu) 4,50 11,5
Boro (B) 2,00 5,0
Cianetos % ppm
Livre 9,3 42,5
Total 86,40 604,0

Forças contraprodutivas

Mas nada disso (solicitações acompanhadas do devido preenchimento de exigências burocráticas, esforço financeiro pessoal e ameaça de morte) afastou o propósito dos estudiosos. Diz ainda o professor que não vai desistir, consciente de que a luta contra esses grupos atuantes no mundo inteiro pode lhe custar a vida.

Independente da acomodação do governo e das ameaças, o professor do curso de Doutorado de Agronomia da UFC é categórico sobre o futuro do defensivo e adubo da mandioca: "A minha única condição é o uso da manipueira em escala comercial."

A manipueira, sucessivamente testada como defensivo agrícola em todas as variedades de ataques (praga, fungos, insetos e ácaros) superou, nos ensaios experimentais, os melhores pesticidas comerciais dos respectivos gêneros. É rica em todos os macros e micronutrientes exigidos pelas plantas. Como adubo foliar (aplicado diretamente na última escala: a folha), as plantas de tomate, quiabo e gergelim cresceram e produziram bem mais do que as adubadas com fertilizante sintético.

Durante anos a manipueira foi testada e aprovada como nematicida, inseticida, acaricida, fungicida, bactericida, herbicida e adubo. Confirmou-se, com exatidão, a sua composição química com todos os macronutrientes ideais para as plantas (K, N, Mg, P, Ca, e S), salvo o Molibdênio, conforme a ordem quantitativa, na análise procedida pela UNESP, Campus de Botucatu, São Paulo.

"Ao fazermos o controle de praga e doenças foliares mediante pulverização com manipueira, estamos, qualquer que seja a diluição utilizada, fazendo, simultaneamente, uma fertilização foliar — fato que torna ainda mais rentável a opção pelo uso desse composto como defensivo agrícola", ensina o pesquisador.

A manipueira em pó (estará disponível a qualquer época, e terá longevidade bem expressiva) vai possibilitar ampla comercialização do produto devido a sua facilidade de transporte, armazenamento e uso. Os pesquisadores, agora, só dependem da liberação da patente por parte do INPI. E o professor Júlio revela que existe um grupo nacional interessado em produzi-la em escala comercial.

Cada 100 litros do composto líquido, segundo a pesquisa, gera de 6 a 8 kg de manipueira em pó. No processo inverso (a manipueira em pó) a composição é de 1 ou 2 colheres de sopa por litro de água (cada colher contendo cerca de 20g do composto), comparando-as com a manipueira líquida em diluição aquosa 1:1 e a testemunha (água + 1% de farinha de trigo, componente adesivo também incluso nos demais tratamentos).

{mospagebreak}

O progresso e o atraso

As nossas forças produtivas (o homem, instrumentos de produção, conhecimentos científicos e técnicos, hábitos e tradições de trabalho, etc.) não podem mais ter o seu desenvolvimento tolhido pela forma social de produção determinante no Brasil. As relações sociais de produção semifeudais e semicoloniais, ao tolher o desenvolvimento das forças produtivas, têm revelado ser o grande instrumento de atraso na vida do povo.

Nessas condições, o avanço da técnica (isolada dos demais elementos das forças produtivas e que não corresponde às relações sociais dignas, mas à destruição e à rapina) vem se tornando degenerado, produtor venenos, moléstias, miséria e devastação; comprovadamente antidemocrático e antinacional. O que vigora como técnica e suas necessidades, por exemplo, são as experiências estrangeiras inteiramente nocivas, que não servem para o nosso país da mesma forma que não servem para o estrangeiro. São avançadas na aparência, porém, atrasadas no conteúdo. Assim vêm se comportando os transgênicos, os agrotóxicos. Assim vão corrompendo a prática da biologia e de todas as ciências.

O fator principal do desdobramento da ciência não é o desenvolvimento lógico dos problemas e das noções, da erudição, e dos interesses antipovo. Mas, o desdobramento da ciência atende às necessidades da técnica e da produção material. Quando a sociedade tem necessidades técnicas, a ciência recebe muito mais ajuda do que receberia de dez universidades.

As necessidades do processo produtivo é que fazem avançar a ciência. Mas o avanço das necessidades sociais tornou inconcebível o processo produtivo como monopólio de uma reduzida classe social, a exemplo do que, hoje, serve aos capitalistas especuladores; rentistas, improdutivos.

A mais avançada técnica, utilizada para produzir monopólios de exploração do homem pelo homem e a escravização das nações, despreza as leis objetivas da natureza e da sociedade. A ciência surge e se desenvolve em função da atividade da prática social dos homens e revela a ação das leis fundamentais frente ao aparente caos dos fenômenos. Mas, a ciência escravizada pelo imperialismo, a serviço do lucro máximo, é útil apenas para aumentar a exploração do povo. Torna-se retalhada, anárquica, incapaz de revelar os seus propósitos perante a humanidade e atende a interesses impostores, nunca aos interesses da economia e da defesa nacionais, tampouco ao desenvolvimento cultural do país. Ao contrário, os interesses dos brasileiros exigem que nenhuma investigação científica seja negociada com o imperialismo, sob que bandeira venha a se apresentar.

AND 139
AND agora tem conteúdo exclusivo para assinantes
Digite nome de usuário e senha para ter acesso a todos os artigos

Conheça nossos livros

Nação do Sol

De Rui Nogueira

Neste livro os moradores de uma vila resolveram discutir aspectos do ser brasileiro. Somos ou não um país rico? Permaneceremos país do futuro? O que existe no Brasil que o transforma na Nação do século XXI? Porque os países hegemônicos estão ameaçados de desabar? Como enfrentarão as questões energética e ecológica. Nisto reside a grandeza do Brasil. Nação do Sol que você ajuda a construir.

R$ 30,00 + postagem*