Encontre-nos no FacebookTwitterAssista aos videos do YoutubeRSSE-mail

Os professores mexicanos estão em greve há mais de um mês. Eles são contrários a uma lei recém-aprovada que modifica a carreira.

http://www.anovademocracia.com.br/118/17a.jpg
Professores mexicanos estão em greve há mais de um mês.

Os professores estão permanentemente mobilizados em grande parte do país, principalmente na capital, Cidade do México, e em Oaxaca, ao sul, desde 19 de agosto. Em 23 de setembro, marcharam do Monumento da Revolução, onde quase dez mil docentes estão acampados, até a secretaria de governo para exigir a abertura de uma mesa nacional de negociação.

Os protestos, marchas, bloqueios de ruas, ocupação de prédios públicos se espalharam por 25 estados mexicanos, segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE).

Para o próximo dois de outubro é esperada uma grande mobilização em todo o país, com protestos na capital e em outras cidades. Os professores estão recebendo o apoio de várias organizações sociais e da população mexicana, principalmente do movimento estudantil.

Entre os dias 18 e 20 de outubro, a CNTE realizou uma greve cívica nacional. A intenção era se contrapor à Lei Geral de Serviço Profissional Docente (LGSPD), que determina que qualquer professor que falte três dias sem justificativa será automaticamente demitido.

Negociação

Supostamente, os dirigentes sindicais fizeram um acordo com o governo, no último 20 de setembro, para o fim da greve e do acampamento na capital mexicana. Os professores deveriam retornar às suas cidades e repor os mais de 25 dias de paralisação. Mas as bases não aceitaram a decisão e convocaram a categoria a radicalizar os protestos, já que não houve avanços significativos nas negociações.

Conteúdo exclusivo para assinantes
    • Editorial - Só os tolos e obtusos se surpreendem com Dilma

      O clima de plebiscito alimentado principalmente pelo PT no segundo turno da última farsa eleitoral esquentou os ânimos. Além de ressuscitar a múmia PSDB (escolhido para “ir para a final” com Dilma), ainda fez voltar das profundezas a sanha de certos grupos...

    • A nova velha submissão ao FMI

      Como já era esperado por quem não quis bancar o avestruz, a gerente Dilma Rousseff, logo após contados os votos com sua minguada diferença sobre o segundo colocado, acusado de ser o candidato dos banqueiros, logo se apressou em apaziguar o mercado convidando um...

    • ‘Guerra ao terror’: o mais feroz imperialismo

      Um levantamento feito por uma organização australiana denominada Instituto para a Economia e a Paz, que diz acompanhar “a evolução do terrorismo” na última década e meia, publicou em novembro a segunda edição do seu assim chamado “Índice do Terrorismo...

    • USA: Ferguson arde em revolta

      A pequena cidade de Ferguson, no estado do Missouri, USA, está nas páginas dos noticiários internacionais desde 9 de agosto, quando o jovem Michael Brown foi covardemente assassinado pela polícia. Mais de três meses depois do episódio, milhares de pessoas...

    • Centelha dos mártires incendeia o México

      No México, a juventude mais combativa empreende uma incendiária rebelião contra o Estado altamente corrupto, totalmente imbricado com o tráfico de drogas e ferozmente repressor. A centelha do desaparecimento e execução de 43 estudantes pelas mãos da polícia...

SP: Entidades sindicais e movimentos populares vão às ruas em defesa do SINSPREV
SP: Entidades sindicais e movimentos populares vão às ruas em defesa do SINSPREVLivresCombativa manifestação da LCP no Norte de Minas: Cleomar Vive!
AND 142
AND agora tem conteúdo exclusivo para assinantes
Digite nome de usuário e senha para ter acesso a todos os artigos

Visitantes:
18847956

Conheça nossos livros

Globalização versus Desenvolvimento

De Adriano Benayon

"Poucos percebem a escravização geral que se está implantando. Até políticos ditos de oposição aceitam a globalização, alegando ter ela vantagens, ou, como carneiros, dizendo-a inevitável. Entretanto, o escrraçamento da liberdade dos valores éticos e da própria vida não são toleráveis nem negociáveis."

R$ 30,00 + postagem*