Por modestas razões

Rateada a conta, ainda na mesa, Felipe anunciou um último relato naquela noite, entre tantos outros, sobre sua rápida passagem pela Europa.

Felipe pôs-se a falar do Berliner Ensemble, o sagrado teatro de Brecht, em Berlim, onde, por volta de 1972, assistira à estréia de uma peça chinesa, especialmente produzida para estrangeiros. Tratava-se de uma impressionante narrativa quase sem texto e abundante em recursos cênicos, mas que o trabalho dos atores conseguiu, muito claramente, traduzir a um público constituído por diversas nacionalidades o melhor da expressão humana, essa linguagem universal da luta pela vida. A obra descrevia uma história do tempo em que na China era permitido substituir um animal de tração pelo homem em veículos denominados riquixás, destinados a conduzir passageiros.

Foi mais ou menos o que contou Felipe:

Em Pekim vivia um certo cule* que enviuvara há pouco. O trabalhador tinha um filho, de uns dez anos, que freqüentava o único tipo de escola então existente, privilégio apenas concedido aos que podiam usar trajes nobres. Ludibriando as atenções de todos, o pobre chinês havia introduzido seu filho no estabelecimento, o que lhe sobrecarregara de despesas ainda mais pesadas. Por esse motivo, à custa de esforços sobrehumanos, aquele homem trabalhava mais dos que os outros da profissão, fato que lhe trouxera a irremediável atrofia de alguns músculos. Buscando evitar dores ainda mais atrozes, sempre que caminhava sem o apoio dos braços do riquixá ele tinha que se contorcer terrivelmente, a cada passo.

Transmitido um endereço, o cule simplesmente memorizava o local onde deveria deixar o passageiro e, seguindo o caminho traçado, ele próprio se transferia em sonhos para a escola. Via o menino, assim, protegido como os outros estudantes, preparando-se para um futuro repleto de felicidades, longe da miséria que oprimia sua gente no mundo real. Como combinaram certa vez pai e filho, pelas tardes o homem aparecia na escola, onde se fazia passar por um serviçal especialmente contratado para transportar aquele aluno de poucas conversas. Ao se despedir dos colegas, o menino não cumprimentava o pai. Com gestos nobres, acomodava-se no veículo e o silêncio de ambos apenas era rompido a meio caminho do bairro em que moravam. Era o instante em que trajes, comportamento e a própria fisionomia do jovem se transformavam como num passe de mágica.

Repetia-se a cena em que chegando em casa o chinês abraçava demoradamente o filho. Depois, sempre mais atento e surpreso, ouvia relatos do estudante enquanto se dedicava ao restante dos afazeres.

Aconteceu que numa certa manhã, em frente à universidade, dois homens subiram ao veículo. Às gargalhadas, lembravam-se dos detalhes de um novo plano econômico de que eram mentores. Prestes a ser executado pelo governo, o plano multiplicaria a fortuna de uma insignificante parcela da sociedade e tornaria ainda mais terrível a vida do povo. Nunca, em toda a vida, o prestimoso cule admitiu ouvir uma conversa entre passageiros. Mas, naquele exato momento, libertando-se do riquixá, o trabalhador lançou os dois velhacos para trás. O corpo aleijado, entre gemidos curtos e incontroláveis, percorreu várias ruas até alcançar o portão da escola. Desesperado, o chinês invadiu a sala de aula e retirou dali, nos braços e para sempre, o seu querido e único filho.


*cule - nome que os colonizadores ingleses davam aos trabalhadores humildes da China e da Índia. Na ortografia apor-tuguesada, se estabeleceu também a forma cúli. Há bem pouco, usava-se apenas coolie, no inglês.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin