Guaranis retomam livros engavetados pela Funai 

http://www.anovademocracia.com.br/109/12b.jpgLivros escritos pelos guaranis e pertencentes a eles, que estavam amontoados na Funai de Santa Catarina há mais de um ano, sem distribuição para as escolas indígenas, (ver Funai engaveta material didático, na edição n° 107 de AND ) foram reapropriados pela tribo durante as celebrações da recente Semana do Índio, 19 a 26 de abril.

Ao verificar a indignação de caciques e professores com a demora, conforme retratou a matéria de AND, a Funai liberou os pacotes, permitindo que os índios os transportassem à aldeia Morro dos Cavalos, no município de Palhoça, SC.

As duas obras, denominadas A terra que volta ao verdadeiro dono (Yvy ojevy ija ete pe) contêm a memória tribal sobre 14 aldeias litorâneas de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Pela primeira vez, no sul do país, essa história foi escrita pelos próprios índios.

A publicação foi paga pelo povo guarani, com recursos compensatórios pela passagem da BR-101 (novas pistas duplicadas) em cima de suas terras, nos dois estados. Em edição quase toda bilíngue, foi destinada exclusivamente às suas escolas, localizadas no trecho entre Palhoça (SC) e Osório (RS).

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Festa e preocupação

De posse dos livros, os guaranis fizeram um lançamento festivo à sua moda, sem a presença de políticos e "autoridades".

No dia 23 de abril, à tarde, reuniram na escola Itaty (do Morro dos Cavalos) crianças e jovens alunos, professores, lideranças, e alguns convidados brancos, como antropólogos, indigenistas, jornalistas e estudantes da universidade Unisul para um evento simples, porém significativo.

Após um canto de saudação, executado pelo coral infantojuvenil da aldeia, a cacique Eunice Antunes apresentou as duas obras e afirmou: "Este lançamento já era para ter acontecido bastante tempo atrás e não aconteceu. Mas agora não faz mal. Estamos muito felizes porque finalmente nossos livros estão aqui".

A Funai, que compareceu com dois representantes, comprometeu-se publicamente, durante o festejo, a distribuir o mais rápido possível a devida cota de exemplares a cada uma das outras aldeias catarinenses e gaúchas autoras dos trabalhos.

Por outro lado, a tarde não limitou-se ao ato comemorativo. Os guaranis expressaram sua preocupação com o "ressuscitamento" de um velho projeto, da Câmara dos Deputados, que coloca em risco os territórios indígenas de todo o país.

Assim, na mesma oportunidade lançaram uma espécie de cartilha, denominada PEC 215: Ameaça aos direitos dos povos indígenas, quilombolas e meio ambiente, elaborada pelo CIMI Regional Sul, equipe de Florianópolis.

O texto informa que o Projeto de Emenda Constitucional (PEC) 215 pretende modificar a Constituição transferindo aos deputados federais e senadores o poder de aprovar a demarcação de novas terras indígenas e reanalisar as já homologadas. Hoje tal competência é do governo federal (União).

Em outras palavras: o que os políticos querem, na prática, é paralisar a legalização das terras dos índios e, se possível, tirar deles os territórios já demarcados.

A PEC, que em 2004 foi considerada inconstitucional e arquivada, agora ressuscita por interesse do latifúndio, representado no Congresso Nacional pela agressiva bancada ruralista. 

Conforme a Agência Brasil, existe forte pressão por parte do grupo ruralista "que deseja barrar as homologações de terras no Brasil e retomar os processos de demarcações já iniciados".


NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin