População do Rio se revolta contra fim do passe-livre

Para favorecer empresas de transporte do estado, Justiça do Rio retira passe-livre de estudantes, idosos e deficientes físicos. Indignado, povo toma as ruas da cidade em protesto.

Desde os últimos dias do mês de junho, a cidade do Rio de Janeiro vem sendo sacudida por diversas manifestações populares, organizadas em protesto contra a decisão judicial do dia 1º de julho que pôs fim ao passe-livre de estudantes, deficientes físicos e idosos nos ônibus intermunicipais, trens, barcas e catamarãs do estado.

O contingente de manifestantes, composto principalmente de estudantes, tem se dirigido invariavelmente à sede do Fórum Municipal, onde juízes e desembargadores julgaram e decidiram — por dezesseis votos a um — que a lei que instituía o passe-livre para milhares de pessoas no estado era inconstitucional. Nos dias 30 de junho e 1º de julho, a polícia militar e a guarda municipal reprimiram com truculência os protestos, prendendo e espancando estudantes. O confronto entre as forças da repressão e os manifestantes paralisou as ruas do centro carioca por algumas horas. De um lado estavam PMs armados; de outro, jovens dispostos a radicalizar sua luta na defesa de um beneficio já conquistado há mais de quatro anos.

Lobby das empresas de ônibus

Por trás da decisão da justiça do Rio de considerar "inconstitucional" o direito ao passe-livre de parte da população, se esconde mais do que uma simples interpretação da lei. Na condução de todo esse caso está presente o lobby das empresas de ônibus e transporte de passageiros do estado. Esse verdadeiro ataque a um direito adquirido do povo está sendo executado para favorecer a um pequeno, mas poderoso, grupo de empresários.

Depois de uma planejada ofensiva sobre a Alerj (Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro) e os magistrados da cidade, o grupo de empresários que controla o lucrativo negócio do transporte de passageiros vem alardeando não poder arcar com os custos do passe-livre. Suas afirmações nesse sentido têm sido estampadas em jornais e veiculadas em declarações na TV e no rádio, e tem o intuito de lançar parte da população contra os usuários do benefício, tentando criar uma suposta contradição entre o povo.

Lei municipal também pode cair e estudantes reagem

Com o precedente aberto pelo fim do passe-livre nos ônibus intermunicipais, uma lei semelhante — que garante a gratuidade nos ônibus que circulam dentro da cidade do Rio para estudantes, deficientes e idosos — também está ameaçada.

Políticos ligados a empresários do setor de transporte já estão se movimentando no sentido de tentar derrubar o benefício na cidade, utilizando-se da influência que uma decisão judicial de caso similar exerce sobre a magistratura e a sociedade. No entanto, a reação dos estudantes contra este possível ataque a seus direitos está sendo imediata.

Depois das mobilizações da semana de votações da justiça carioca, novas passeatas e atos públicos estão previstos para os próximos dias. A imensa população que perdeu seu beneficio considera tal situação temporária. Aqueles que ainda não perderam seus direitos se organizam para defendê-lo. O povo do Rio se lança na luta pelo passe-livre. Uns para reavê-lo, outros para o manter.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin