Brasileiro na OMC: mais uma artimanha do imperialismo

http://www.anovademocracia.com.br/110/13b.jpg

No último dia 7 de maio o embaixador brasileiro Roberto Azevedo foi eleito para assumir o cargo de diretor-geral da Organização Mundial do Comércio, do comércio capitalista, comércio fundado na exploração do homem pelo homem. Sim, a famigerada OMC, instituição do imperialismo, garantidora e mantenedora da divisão internacional do trabalho entre potências capitalistas e semicolônias. Logo o monopólio a imprensa e o PT se apressaram a dizer que a eleição de Azevedo para chefiar a OMC foi uma "vitória" do Brasil, do povo brasileiro, e patranhas que tais.

Eis uma das nuances do embuste: diz-se por aí que Roberto Azevedo teve a "coragem" de contestar, no âmbito da OMC, os subsídios agrícolas com os quais o USA e a União Europeia garantem os lucros dos grandes latifundiários ianques e europeus, respectivamente, o que teria "proporcionado ao Brasil e aos países em desenvolvimento vitórias legais de grande significado", como escreveu um economista historicamente ligado ao oportunismo petista logo após o anúncio do nome de Azevedo como novo diretor-geral da OMC.

Ora, só mesmo a estirpe mais picareta de "pensamento de esquerda" (falsa esquerda) pode declamar aos quatro ventos que uma vitória do latifúndio brasileiro de novo tipo, o agronegócio, é sinônimo de vitória para toda a nação, para o povo brasileiro. Justamente o agronegócio, um dos grandes pilares das forças antipovo e da exploração sem limites dos trabalhadores desta semicolônia tropical.

É um velho estratagema das classes dominantes: tentar fazer crer, mediante ferozes campanhas de contrapropaganda burguesa – onde contam com a prestimosa ajuda dos papagaios do monopólio dos meios de comunicação –, que o que é bom para as classes dominantes, ou seja, para os industriais monopolistas, banqueiros, latifundiários e opressores do povo em geral, é bom também para as classes populares.

Trata-se de uma artimanha ora muito transparente em uma campanha publicitária veiculada atualmente nos grandes órgãos nacionais da imprensa burguesa, na qual uma grande instituição financeira repete sem parar que o que é bom para o banco é bom para todos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin