O submundo da farsa eleitoral

http://www.anovademocracia.com.br/110/03.jpg

Faltando praticamente um ano e meio para mais um capitulo da farsa eleitoral é grande a movimentação para definir a priori quem ocupará a cadeira de gerente da semicolônia Brasil.

Tal como nos tempos do regime militar que elaborava uma legislação eleitoral ao sabor da conjuntura para garantir com folga os candidatos do regime, o gerenciamento petista em conluio com PMDB e Pecedobê elaborou um projeto eleitoral para dificultar o surgimento de novas frações dentro do quadro de partido único ao mesmo tempo em que se favorecia com uma base de sustentação correspondente a 60% do tempo de rádio e TV e o equivalente em recursos do fundo partidário. Paraassegurar o apoio desta geleia vale tudo, inclusive, criar o maior ministério de todos os tempos para trocar por apoio eleitoral.  Armam-se verdadeiros imbróglios como: Afif, do PSD, que é vice de Alkmin do PSDB vai para o ministério de Dilma que é do PT, mas que quer o apoio de Kassab, dono do PSD, que está em cima do muro.

Dilma Rousseff colocou a campanha na rua transformando inserções na TV einaugurações de mal acabados estádios para a copa em comícios eleitorais ao mesmo tempo em que Aécio Neves e Eduardo Campos circulam pelo Brasil  fazendo discursos críticos ao gerenciamento petista e Marina Silva não encontra gancho para armar a sua Rede.

É dando que se recebe

Como para todos eles o povo é apenas um detalhe, seus discursos são direcionados àqueles que realmente definem o resultado da farsa eleitoral, no caso, os banqueiros, as transnacionais , o agronegócio, em fim, ao imperialismo.

Medidas como as concessões para a construção e ampliação de aeroportos e estradas, leilões dos poços do pré-sal, renuncia fiscal para indústria automobilística e para a linha branca, aumento das taxas de juros, desoneração da folha de pagamento e de itens da cesta básica,generosos empréstimos do BNDS, são apenas alguns exemplos de como a grande burguesia, o latifúndio e o imperialismo  são aquinhoados pelas benesses do gerenciamento petista sob as bênçãos de São Francisco cuja oração assegura que "é dando que se recebe”.

Os autodenominados candidatos de oposição ( talvez ao povo) se esmeram em afirmar em seus discursos de que é possível fazer mais do mesmo. Arvoram o baixo crescimento da indústria, a inflação e o fraco PIB, para prometerem que com eles a coisa será diferente.

A preocupação primeira de todos os candidatos foi de selecionar o seu marqueteiro e, em seguida,amparados por seus padrinhos já iniciarem o desfiar do rosário de promessas. Enquanto Dilma Rousseff usa Luiz Inácio como bengala, Aécio Neves se escora em Cardoso, Campos monta no "cacunda” de Paulo Skaff da CNI , Marina vai de Natura. Para o momento só demagogia, as melhores promessas, como sempre, ficam para o futuro que, afinal, a deus pertence.

Todos escondem o fato de que a crise econômica internacional de há muito já se instalou no Brasil e que a virada no balanço de pagamento é apenas um indicador de como o imperialismo  cobra de suas colônias e semicolônias o aumento da derrama.

Elevadas taxas de juros para remunerar o capital especulativo e remessas de lucros exorbitantes são outras formaspermitidas pelo gerenciamento PT/FMI de demonstrar sua subserviência aos ditames da oligarquia financeira internacional.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Para o povo fica o arrocho, a carestia e arepressão

Enquantoisso professores, funcionários públicos e os trabalhadores de modo geral são submetidos a arrocho salarial tendo que recorrer a greves para tentar impedir a degeneração de seu poder aquisitivo diante da inflação que corrói o poder de compra , principalmente dos assalariados. Preços que com a desoneração de itens da cesta básica não diminuíram posto que as cadeias de supermercado, em sua maioria na mão de transnacionais,se apropriaram da diferença a menor que deveria servir ao povo.

Uma das formas de ganhar a confiança de seus amos das classes dominantes é dar demonstrações de sabem colocar o povo "em seu devido lugar”, assim, usam e abusam em reprimir as manifestações populares por melhores salários , melhores condições de vida e contra a violência policial. 

Quando se trata de repressão, todas as frações do partido único, no poder, não se diferenciam. A polícia do PT do Rio grande do Sul reprime os estudantes que protestam contra o aumento abusivo dos transportes coletivos; A polícia do PSDB de São Paulo reprime os professores que reivindicam salários dignos; O Polícia do PMDB do Rio de Janeiro reprime os índios e os moradores dos morros que repudiam a violência policial; A polícia do PSB do Ceará reprime os professores dentro das instalações da Assembleia Legislativa; e por aí vai.  A criação da Força Nacional e de um esquadrão especial da polícia federaljunto à destinação do exército e da marinha para a repressão no campo e na cidade são, particularmente, a expressão maior de que os governos de turno seja a nível federal, estadual e mesmo municipal, em conjunto,  exercem uma feroz ditadura sobre as massas, principalmente, o povo pobre.

A rebelião se justifica

Mais do que nunca é necessário afirmar e desfraldar a brado de que "a rebelião se justifica". O Sr. Geraldo Alckmin, cuja polícia mata desbragadamente a população pobre de São Paulo, declarou "que se o povo soubesse dez por cento do que fazem com ele, faltaria guilhotinas para cortar o pescoço dos corruptos." Ora vejam, quando vemos um legítimo representante da oligarquia e membro da medieval Opus Dei, servirse de tal peroração só se pode ver astúcia de um afã demagógico e eleitoreiro ou clamor incontido por tirania para a qual se dispõe a exercer. Mas também poderia ser um vaticínio a alertar perigo. Neste caso não se trataria de alguém de todo néscio e ridículo.

A propósito, as revoltas que se repetem em certo ritmo nos bairros pobres, no campo, na juventude e mesmo num movimento operário garroteado por tantos empulhadores, não denotaria isto que, camponeses, operários, a juventude e o povo pobre enfim, já começara a afiar espadas?


NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin