Notícias da Guerra Popular

Índia

Informantes e genocidas são aniquilados

Com informações de revolucionnaxalita.blogspot.com

http://www.anovademocracia.com.br/117/18a.jpg

No dia 5 de setembro, uma unidade do Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL), dirigido pelo Partido Comunista da Índia (Maoísta), aniquilou um ex-deputado ‘Sarpanch’ (chefe da Panchayat, instituição de governo local). Os maoístas afirmam que o ex-deputado era um informante da polícia. A ação de justiçamento ocorreu em Burgum, distrito de Bastar, em Chhattisgarh, informou o The Times of India.

No mesmo dia foi noticiado em blogs internacionalistas que um destacamento do EGPL realizou uma emboscada contra o 209º Batalhão de Combate para a Ação Resolvida (CoBRA), considerado "elite"  das forças de repressão do velho Estado indiano. O soldado Santosh Kumar Singh foi aniquilado na ação, que foi levada a cabo no vale de Tebo, em West Singhbhum, Jharkhand.

O CoBRA é conhecido por suas ações genocidas contra povoados de camponeses e populações tribais e por torturar e assassinar todos aqueles suspeitos de apoiar a Guerra Popular.

Guerrilheiros caem em combate

Com informações de dazibaorojo08.blogspot.com

Em 11 de setembro, veio a público a informação de que uma mulher combatente do EGPL caiu em combate durante um tiroteio na selva de Kadnaka Bandiliuí, em Rayagada, Odisha. O confronto durou cerca de uma hora e teve início quando as assassinas Forças Voluntárias do Distrito (FVD) se depararam com um acampamento guerrilheiro. No local foram encontrados fuzis e literatura maoísta.

Três dias antes, outro maoísta havia caído em combate durante enfrentamento com agentes da polícia no distrito Bargarh, em Odisha. Segundo fontes oficiais, combatentes do EGPL estavam preparando um acampamento de treinamento com o objetivo de atacar os acampamentos da Força Policial de Reserva Central (FPRC) recentemente construído na região. A operação genocida da repressão contou com a polícia de Bargarh, a FPRC e o Grupo de Operações Especiais (GOE). Vinte e uma granadas de mão e uma bomba de 20 quilos foram apreendidos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin