Teatro popular engajado

Formado por quatro componentes fixos e muitos convidados, a companhia teatral Kiwi se preocupa em fazer um teatro político, crítico, envolvido com problemas sociais. Com pequenas intervenções nas ruas, espetáculos em salas, ou participando como ativistas nas últimas manifestação em São Paulo, o Kiwi luta no sentido de pensar o mundo atual e nele intervir.

http://www.anovademocracia.com.br/118/14a.jpg
Teatro Kiwi participa de manifestação em São Paulo.

Começamos nossas atividades em Curitiba, PR, no final de 1996, onde as condições de produção teatral e mesmo o contexto político da cidade eram mais difíceis e desfavoráveis para o tipo de trabalho que nos interessava fazer, que é um teatro mais político, engajado — conta Fernando Kinas, diretor da companhia.

— Foi na mudança do grupo para São Paulo, mais ou menos em 2005, que as coisas começaram a ter uma dimensão mais consistente, tomar corpo do que é hoje a companhia, por conta do forte movimento teatral que existe aqui, com preocupação social evidente, ambição política no sentido de discutir a cidade, os problemas da sociedade brasileira, e diálogo com movimentos sociais — continua.

Em 2006 a companhia estreou o espetáculo Teatro/mercadoria, trazendo uma discussão sobre a mercantilização dos bens simbólicos.

— Ele consolidou uma das preocupações que tinham sido constantes desde o nosso surgimento que é discutir as capacidades, os limites, as possibilidades da arte, em especial do teatro, na sociedade contemporânea. Discutiu o processo de transformação em mercadoria de quase tudo, entre elas, saúde, educação, a arte, a cultura etc — expõe Fernando.

— Temos um certo tripé que organiza o trabalho da companhia: discussão crítica de problemas contemporâneos; realização de pesquisa artística, não se contentando com os formatos artísticos existentes; e trabalho com os movimentos sociais — explica.

As preocupações artísticas e culturais, segundo Fernando, sempre estiveram ligadas ao que chamam de “teatro de intervenção”, que pensa o mundo atual e procura nele intervir.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin