Amplia-se a guarda pretoriana do PT

Os recentes acontecimentos na Favela Metrô-Mangueira, na zona Norte do Rio de Janeiro, foram uma demonstração de como o velho Estado irá tratar as lutas populares em 2014. Neste caso específico, esta comunidade, uma das que resistem há anos contra a remoção, se encontra ocupada pela Polícia Militar para garantir sua destruição visando a construção de um estacionamento como parte das obras do Maracanã. A maior parte da favela já foi demolida, mas as famílias que lá permanecem travaram dias seguidos de batalhas contra o aparato repressivo e contra as arbitrariedades do gerenciamento municipal Eduardo Paes.

O caso do Metrô-Mangueira é um dos inúmeros casos de covardia que ocorreram no Rio de Janeiro nos últimos anos, isto sem contar os diversos casos semelhantes que ocorreram por todo o país em nome dos megaeventos da Fifa e da grande burguesia que se aproximam, a Copa e as Olimpíadas.

A preocupação das “autoridades” com a aproximação da Copa do Mundo é evidente, ainda mais tendo o Brasil passado por um grande levante popular há poucos meses, em especial durante a Copa das Confederações, que foi uma prévia dos levantes que virão este ano. E a repressão não contará apenas com as violentas tropas de choque das PMs e as guardas municipais.

Recentemente, a gerência FMI-PT anunciou que vai disponibilizar 10,6 mil soldados da Força “Nacional de Segurança” para incrementar a repressão contra os protestos durante o evento. Os 12 estados que receberão jogos das seleções projetam seus esquemas de “segurança” e poderão requerer a presença da guarda pretoriana de Dilma.

Vale lembrar que esta Força Nacional é a mesma que garantiu a repressão no leilão de Libra no dia 21 de outubro do ano passado, na Barra da Tijuca, assim como, em diversas ocasiões, a repressão contra operários nos canteiros de obras do PAC país afora, bem como fartamente utilizada contra camponeses em luta pela terra.

Ano passado, durante a Copa das Confederações, o “governo” federal e a Fifa tiveram que realizar uma reunião emergencial para “resolver” a situação das manifestações. Dilma então se comprometeu em aumentar em 30% o efetivo nos locais de competição e a Força Nacional foi enviada para cinco cidades sedes, com exceção de Brasília, que só recebeu a primeira partida. O resultado disso tudo todos já sabem: bombas, balas de borracha, prisões, manifestantes feridos, etc.

Cada vez mais o povo brasileiro se dá conta de que esta Copa só vem para beneficiar o grande capital e no seu rastro podemos constatar as remoções, a militarização, a violência policial desenfreada e o sofrimento de milhares de famílias pobres. A palavra de ordem ‘Não vai ter Copa!’ ecoou e ecoa nas manifestações de rua de várias cidades brasileiras. Na própria Favela Metrô-Mangueira, como citamos acima, ela foi entoada com vigor.

Alguns grupos de militantes do PT/pecedobê, que há mais de uma década legitimam esta gerência do velho Estado brasileiro, assim como a grande burguesia, também estão preocupados com a realização do megaevento. Para tentar desmerecer os legítimos e justos protestos populares eles tentam apresentar a Copa como algo positivo para o país, chegando a qualificar os manifestantes e os protestos como de “direita” e, em algumas ocasiões, até de “golpistas”. Ora, vamos!

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin