Argentina: ‘abutres’ e outras aves de rapina

http://www.anovademocracia.com.br/136/16.jpg

No último 31 de julho a “presidente” da República Argentina, a senhora Kirchner, apareceu em rede nacional de TV em longo pronunciamento oficial (cerca de uma hora!) sobre a “falta de acordo” entre o seu gerenciamento oportunista e parte daqueles que se apresentam como “credores” do país, reivindicando para seus próprios bolsos, a título de “dívida externa”, vultosos volumes das riquezas geradas na Argentina a custa do suor das massas trabalhadoras daquela nação, em velha e conhecida extorsão legitimada pelo Direito Internacional e na maior parte das vezes avalizada pelas elites políticas locais encasteladas nos “governos” de semicolônias, não obstante a retórica da “soberania” e da “justiça” repetida ad infinitum por corjas populistas da estirpe, por exemplo, do casal Nestor e Cristina.

“Estamos em 31 de julho e a vida segue”, disse Cristina na ocasião, em alusão ao fato de que no dia anterior, 30 de junho, terminara o prazo dado por um juiz do USA para que a Casa Rosada entrasse em acordo com os chamados “fundos abutres” que cobram na justiça o pagamento integral de títulos da dívida pública do país comprados por valores irrisórios durante a “crise de insolvência” argentina de 2001, sob pena de o país ver bloqueados os fundos destinados ao pagamento de uma parcela a credores internacionais (92% dos credores da Argentina) que se entenderam com os Kirchner em rodadas de renegociação da dívida externa realizadas em 2005, sob a batuta de Nestor, e em 2010, já sob os auspícios de Cristina.

O que os “fundos abutres” fazem é nada menos que exatamente isso: comprar títulos da dívida de semicolônias em apuros por valores baixíssimos para depois acionar esses países na justiça a fim de tentar receber ganhos integrais. No cenário argentino, esses “abutres” compraram os papéis da dívida do país por US$ 48,7 milhões em 2001 e agora pleiteiam receber cerca de US$ 1 bilhão.

Pagamento: alívio ou lesa-pátria?

Esta modalidade de agiotagem, evidente e exacerbadamente torpe, grotesca, porém perfeitamente legítima ante o arcabouço jurídico do sistema financeiro internacional, bem como a controversa sentença da justiça ianque, que colocou a Argentina na condição de “moratória técnica”, vem servindo de combustível para a demagogia de Cristina Kirchner.

O gerenciamento Kirchner, por meio do chefe de gabinete da Casa Rosada, Jorge Capitanich, chegou a dizer que a Argentina irá até a Corte Internacional de Haia e à Organização das Nações Unidas (ONU) para denunciar a atuação dos “fundos abutres”, com direito à vociferação estéril (sem ações concretas) contra o USA, típica do mais roto oportunismo latinoamericano:

“Os Estados Unidos são responsáveis por não atuarem responsavelmente. E não venham com a desculpa de que o Poder Judiciário é independente, porque não é. Não é independente dos fundos abutres, esse grupo minúsculo que pretende minar o pagamento da dívida.”

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin