Música e teatro no palco

A- A A+

Se identificando com diversas formas de artes e as integrando no seu universo, Badi Assad é uma brasileira que faz música e se apresenta pelo país e o mundo. Inventando ritmos, representando suas letras, Badi entrou recentemente no mundo infantil, vivendo um dia musical na vida de uma criança com o Cantos de Casa.

http://www.anovademocracia.com.br/143/12a.jpg

— Não sei se descobri a música ou se foi a música que me descobriu, porque sempre esteve presente na minha vida. Passei por várias fases, a primeira foi acompanhar meu pai com violão nas rodas de choro — conta Badi.

— Depois fui cursar bacharelado em violão, juntamente com meus irmãos. Porém, no decorrer da faculdade, vi que a música erudita não era o meu universo. Então fui lentamente migrando para o violão instrumental brasileiro — continua.

— Mais tarde descobri que também cantava, que tinha um prazer enorme fazendo isso. Só que no início a voz entrou muito como um instrumento complementar ao meu violão. Era mais como efeito mesmo.

A artista fez uma pesquisa vocal que durou anos, a colocando em contato com a música étnica do mundo todo. Mais tarde descobriu que também gostava de escrever, compor suas próprias cantigas.

— Descobri o amor pela palavra e, desde então, meu trabalho teve uma aproximação maior com a música popular. Acabei abandonando a faculdade de violão, mas não foi porque era voltada para o erudito e sim porque já estava fazendo shows e não deu para conciliar — explica.

— Gostava muito da faculdade em si. Participava do coral e fazia matérias extracurriculares que amava e que não tinham nada a ver com a música erudita, por exemplo, teatro e voz.

— Enfim, foi quando descobri outras formas de arte que não a música e que serviram dentro da música. Acabaram fazendo parte do meu acervo pessoal. O teatro mesmo eu uso muito no palco — acrescenta.

Por conta de pesquisas e influências diversas, Badi conta que seu trabalho não cabe em um só compartimento.

— Ele é muito diversificado, costumo dizer que no balaio tem muitos gatos. Não tem estilo algum que eu goste de explorar mais do que outro. Meu leque de preferências musicais é bem aberto.

— Porém, ao mesmo tempo, é bem estreito porque uma música, de qualquer gênero que seja, tem duas facilidades: ou me emociona ou não me emociona — continua.

— Dentro dessa perspectiva qualquer estilo pode me emocionar e é nessa caminhada que escolho meu repertório, incluindo músicas do cancioneiro internacional, que eu posso trazer para o meu próprio universo, onde o violão é mais presente, aparece um ritmo brasileiro, minha vivência.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza