Norte de Minas: novo ataque contra camponeses


Contra ataque à Baixa Funda, camponeses bloqueiam acesso às balsas em Manga

Nota da redação: famílias camponesas que vivem e produzem há mais de 17 anos na Baixa Funda (Fazenda Marilândia), localizada no município de Manga, Norte de Minas, são alvo de novo ataque do velho Estado, forças de repressão e do latifúndio e sofrem nova ameaça de reintegração de posse.

Esse novo ataque contra os camponeses, que já resistiram a quase uma dezena de ameaças desse tipo ao longo dos últimos anos, é mais uma prova do agravamento do conflito no Norte de Minas, confirmado pelo recente brutal assassinato do dirigente da Liga dos Camponeses Pobres do(LCP), Cleomar Rodrigues de Almeida .

Grande contingente de policiais foi enviado a Manga e ocupou a Fazenda Marilândia, cumprindo ordens da Vara Agrária.

Em resposta ao ataque, os camponeses da Baixa Funda ocuparam o porto da balsa que faz a travessia do Rio São Francisco em Manga. Outro contingente policial foi enviado para reprimir o protesto. Os camponeses resistiram protestando e denunciando a decisão da Vara Agrária e as ameaças de destruição de suas roças pelas tropas que ocupavam a fazenda.

A LCP e o Comitê de Apoio à Luta pela Terra denunciaram que a professora Gilvânia, que leciona há mais de 20 anos em Manga e foi presidente do SindManga (Sindicato dos Servidores Municipais de Manga), sempre comprometida com as causas do povo da cidade, recebeu ameaças de morte caso não se afastasse da luta das famílias da Baixa Funda.

Gilvânia afirmou, em nota de denúncia publicada pela LCP, que “se acham que com ameaças vão me intimidar, estão enganados, sigo mais forte que nunca”.

Os camponeses denunciaram em nota que: “Enquanto isso, o Incra se faz de morto, o Ouvidor Agrário Estadual Antônio Miranda não atende telefone, a Procuradora do Incra está de férias e o deputado Paulo Guedes, votado na região (seu irmão é prefeito de Manga), não dá as caras; e o deputado Rogério Correia, da Comissão de direitos Humanos da ALMG, que havia se comprometido a intervir em nome da equipe de transição para que tal ação covarde e injusta não ocorresse, está na Assembleia e seus assessores não o localizam e ficam jogando a responsabilidade uns para os outros.

Enquanto isso, o coronel da PM, como se fosse senhor de tudo e governador do estado, está tentando destruir a roça dos camponeses. O tratorista contratado para tal ação, quando viu do que se tratava, se recusou a fazê-lo. Ninguém em Manga aceitou destruir as roças dos camponeses.

É. Começou o “governo” do PT.”

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

A nota da LCP

O juiz da Vara Agrária, Almeida Neves, emitiu mais uma covarde decisão contra as famílias camponesas da Baixa Funda, ordenando a desocupação da área, destruição dos barracos e das roças cuidadas com tanto trabalho, suor, sacrifícios e esperanças pelos camponeses!

Um ano atrás, em dezembro de 2013, enfrentamos as mesmas ameaças e em 1º de abril deste ano as famílias foram retiradas das terras numa operação da PM. Logo após a saída da PM da região, Aulus, filho do latifundiário, junto com capangas, ateou fogo em 8 barracos de famílias da área, destruindo pertences e mantimentos, ameaçando e intimidando os camponeses. Nenhuma providência foi tomada contra esses crimes!

Durante a 748º reunião da “Comissão Nacional de Combate à Violência no Campo”, realizada em 20 de novembro, onde denunciamos a omissão do Estado no assassinato de Cleomar, após inúmeras denúncias, o superintendente do Incra-MG, Danilo Araújo, se comprometeu a buscar solução para acabar com o impasse, manifestando que iria procurar o latifundiário Thales para negociar.

Agora, no dia 2 de dezembro, foi realizada nova reunião do “Comitê de Crise” para discutir a desocupação da área. Os representantes dos órgãos responsáveis pela “reforma agrária” não compareceram e a PM, de forma arbitrária, afirmou que cumprirá a ordem de reintegração de posse no dia 16 de dezembro, próxima 3ª feira.

Após toda farra com dinheiro público patrocinada pelo governo Dilma/PT para realizar a copa e as eleições, esse é o presente de natal destinado aos camponeses que lutam pelo direito à terra: repressão e despejo!

A tensão é grande na área e na cidade. Tensão causada pelo latifundiário e suas ameaças. Tensão causada pela omissão do Incra e governo federal que não desapropriou a fazenda. Tensão causada pela omissão do governo estadual, que não resgatou as terras devolutas griladas há muito tempo. Tensão causada pela decisão covarde do juiz da Vara Agrária de MG.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro