“Democracia” chega com tudo à Ucrânia

http://www.anovademocracia.com.br/144/17b.jpg
Greve dos funcionários de empresa de trem

As “autoridades” ucranianas que desde Kiev gerenciam seu país para os interesses das potências imperialistas da UE e o USA não se cansam de enumerar, no melhor estilo da propaganda ideológica ianque, as suportas maravilhas vindouras para o povo trabalhador de uma Ucrânia “aliada” do “Ocidente”.

Ocorre que até agora a “parceria” com o bloco de poder encabeçado pelo imperialismo ianque produziu apenas o espraiamento do fascismo (nas cidades e províncias, com grupos paramilitares; e nas instituições, com a forte participação dos fascistas assumidos no “governo” Poroshenko), a disseminação do terror contra pró-russos e antiimperialistas, o ensejo de uma guerra civil e o cerceamento à organização e luta classistas do povo trabalhador.

Exemplo crasso da estirpe de “democracia” que tentam vender ao povo ucraniano foi o desmantelamento de um movimento grevista na própria capital Kiev na base da pressão e intimidação policial em meados de dezembro último.

No dia 18 daquele mês os trabalhadores dos serviços de trens de Kiev iniciaram uma greve para exigir o pagamento dos seus salários, atrasados desde setembro. A greve enfureceu as “autoridades” e, quando ameaçava se estender aos serviços de ônibus e metrô, elas mandaram a polícia resolver de uma vez a situação.

O líder sindical Vitali Makhinko relatou à imprensa como se deu a intimidação aos grevistas pela via das forças de repressão:

“Na tarde do dia 18 de dezembro, policiais à paisana foram até o terminal e começaram a interrogar os trabalhadores dos transportes e os líderes sindicais. O sindicato entende esses atos como ameaças aos manifestantes. As ‘autoridades’ enviaram a polícia contra trabalhadores em greve, ainda que as ações desses trabalhadores não tenham incorrido em nenhuma ilegalidade.”

Além disso, os líderes da greve terão que responder a processos sob a ressonância da fúria das “autoridades” publicamente demonstrada por meio de acusações de “inimigos do povo” e “terroristas” a eles dirigidas.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin