USA e sócios europeus mergulham Oriente Médio na guerra

No primeiro dia de dezembro, Angela Merkel anunciou que a Alemanha enviaria à Síria seis aviões de reconhecimento, um de abastecimento e 1200 soldados, além de uma fragata que integrará uma esquadra de retaguarda para o porta-aviões francês Charles de Gaulle. Tudo isso a título de “entrar na coligação contra o Estado Islâmico”.

http://anovademocracia.com.br/163/21.jpg
Porta-aviões francês a caminho da Síria

O contingente de 1200 soldados que serão despachados por Merkel para a Síria será a maior força de combate da Alemanha imperialista no exterior, em decisão que faz cair o que resta da cortina surrada da suposta política alemã de “não-intervenção” (é bom lembrar que a Alemanha contribui, hoje, com mil soldados na ocupação imperialista do Afeganistão e há pouco mandou 650 militares para o Mali, país africano). A agudização das contradições interimperialistas impelem os chefes políticos das potências a deixarem de lado certos “pudores” (se é que há algum).

Serão, aqueles soldados, mandados para o front não com o fim de “combater o terrorismo”, como apregoa a contrapropaganda imperialista, mas como buchas de canhão para defender as posições e os interesses, na Síria, dos grandes monopólios do imperialismo alemão.

Também as massas trabalhadoras dos países imperialistas sofrem diretamente as consequências da “geopolítica”, quando a barbárie semeada pelas potências no Oriente Médio ricocheteia de forma inclemente na casa do agressor — como podem atestar os 159 cadáveres que constituem o saldo do ato de guerra empreendido por comandos do Estado Islâmico (EI) em Paris no dia 13 de novembro.

Na França, onde Hollande também fermenta a ideia de invasão por terra da Síria, o “estado de emergência” já resultou, segundo denúncias, na prisão domiciliar de vários ativistas populares. No dia 30 de novembro, centenas de franceses desafiaram a proibição às manifestações e saíram às ruas em protesto contra as farsas que constituem tanto a cúpula climática, que se realizava em Paris, quanto a “guerra ao terror”, e também o caráter opressivo do tal “estado de emergência”. Em nome da “democracia”, as forças de repressão de Hollande agiram com a costumeira bestialidade e prenderam mais de 200 pessoas.

No dia 3 de dezembro, aviões de guerra da Grã-Bretanha bombardearam o território sírio pela primeira vez, completando a conformação das três maiores potências do imperialismo europeu entrando de cabeça na disputa travada na Síria entre seu sócio USA e a Rússia.

E foi desde o porta-aviões Charles De Gaulle que Hollande, em “visita surpresa” ao navio de guerra, anunciou, no dia 4 de dezembro, que a intervenção militar francesa na Síria já se estendia também a parte do território da Líbia, ainda que por ora se restringindo a “voos de reconhecimento e vigilância”, sempre sob a alegação de combater o EI.

No dia seguinte, 5 de dezembro, mais um episódio da escalada das tensões de guerra na região: o gerenciamento títere do Iraque emitiu comunicado oficial exigindo que o Estado turco, transformado em roteador de provocação do USA e da UE no Oriente Médio, retirasse do território iraquiano as tropas que enviou para lá a título de treinar combatentes locais contra o Estado Islâmico.

O chefe da comissão parlamentar de segurança e defesa do Iraque, Hakim al-Zamili, disse que o país pode “recorrer à Rússia para lidar com as tropas turcas”. Já Putin vem propagando a informação de que a família de Erdogan lucra pessoalmente com negócios em torno do petróleo controlado pelo Estado Islâmico, no que Erdogan prometeu tomar “medidas de retaliação” caso a Rússia continue a “espalhar calúnias”.

No dia 6/12, Obama foi à TV no USA prometer que vai “destruir o Estado Islâmico”. Isso depois que um casal, que teria jurado “lealdade ao Estado Islâmico”, abriu fogo em San Bernardino, na Califórnia, deixando 14 estadunidenses mortos. A barbárie semeada pelo imperialismo está cada vez mais instaurada e a ela só a Grande Revolução Proletária Mundial poderá se contrapor.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin