América Latina

Colômbia: luta camponesa enfrenta assassinatos

No dia 2 de junho, dois camponeses colombianos foram assassinados no município de Caldono (departamento de Cauca), em meio a grande efervescência causada por variados e amplos protestos de populações camponesas e indígenas em diferentes pontos do país, que já somou, desde o fim de maio, mais de 30 mil participantes e 135 feridos. Os camponeses exigem, nessa importante jornada de luta, melhorias agrárias como diminuição nas importações de alimentos vindos do USA e Europa, contra a pobreza rural e a pouca quantidade de terra a disposição, exigências cujas “autoridades” reacionárias do velho Estado colombiano não podem atender.

http://www.anovademocracia.com.br/171/19a.jpg
Camponês ferido é socorrido por outros manifestantes

Quem está encarregado de “acompanhar” as manifestações camponesas é nada menos que o Ministério da Defesa: daí se vê o temor com que o velho Estado vê o povo mais empobrecido, ademais de ver os problemas sociais como sendo um problema de “defesa nacional”.

Segundo a ‘Organização Nacional de Indígenas da Colômbia’ (ONIC), os assassinatos dos dois camponeses ocorreram por impacto de dois tiros durante confronto com a repressão. Já o velho Estado afirma que ainda não há responsáveis: “Não temos evidência, até o momento, de que as mortes sejam por atos da Força Pública”, declarou o Ministério da Defesa, na rede Twitter. Tal pronunciamento, entretanto, deixa claro e transparente que o único suspeitíssimo dos assassinatos é justamente a repressão fascista.

Apesar dos dois camponeses caídos do lado das massas, houve também baixas no lado da repressão: segundo o próprio Ministério da Defesa, 31 agentes da repressão ficaram feridos.

Houve também outro episódio combativo da luta camponesa: uma greve geral de camponeses e indígenas que agitou os departamentos de Antioquia, Arauca, Huila, Meta, Nariño, Norte de Santander e Valle del Cauca, no final de maio e início de junho. Foi a resposta das massas ao não cumprimento pela gerência federal de acordos firmados, que visavam a instalação de hospitais e escolas no campo e a revogação de legislações que permitiam remoções da população. Centenas de pessoas, incluindo agentes da repressão, ficaram feridas.


Chile: avança a ofensiva estudantil

Com informações do periódico El Pueblo

Os estudantes chilenos, protagonistas de grandes lutas nos últimos tempos, novamente dão mostras de combatividade mediante a luta pela educação digna que, em tese, deveria ser entregue a eles pelas “autoridades”, mas que, no entanto, não está nem nunca estará na lista de prioridades mínimas do velho Estado chileno e de suas gerências de turno.

http://www.anovademocracia.com.br/171/19b.jpg
Jovens durante marcha de estudantes secundaristas

No final de maio desse ano, as massas estudantis no Chile avisaram que se iniciaria uma ofensiva contra o descaso do velho Estado com a educação, no qual as falsas promessas são mais uma vez a ordem do dia para a gerente de turno Michelle Bachelet. O descaso está expresso na maneira como está sendo conduzida a tão falada “reforma na educação”, a qual promete gratuidade na educação e maior democracia escolar, mas que, todavia, irá beneficiar menos da metade de estudantes que havia prometido, além de estar mantendo intactas várias estruturas contrárias aos anseios democráticos levantados pelos estudantes.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin