Chile, um enclave extrativista desde sempre

O Chile tem uma conformação territorial especial devido a sua fronteira oriental ser a Cordilheira do Andes, o que legou a seu território uma faixa estreita de cerca de 150 km a oeste, mas na dimensão norte/sul o país se estende por mais de 3 mil km.

Séculos de rebeliões do povo chileno contra mineradoras:  21/12/1907
Séculos de rebeliões do povo chileno contra mineradoras: 21/12/1907

Assim como a maioria das colônias da época do mercantilismo, sua atividade econômica sempre foi  voltada ao extrativismo e à produção agrícola. A mineração foi intensificada no século XVIII e hoje é a principal atividade econômica do país, que é o maior produtor de cobre do mundo.

Como é de se esperar, a mineração também está no centro de alguns grandes conflitos, tanto dentro do próprio país, como envolvendo outros países.

No fim do século XIX, na chamada “Guerra do Pacífico”, o Chile derrotou a Bolívia e o Peru, anexando a região de Antofagasta, produtora de salitre, e fechando o acesso da Bolívia ao oceano. Estima-se que tenham morrido de 20 a 30 mil pessoas nesta guerra.

Em 1907, uma força policial abriu fogo contra mineiros em greve alojados na escola Santa María, em Iquique, no norte do Chile. Cerca de 300 trabalhadores foram assassinados e outras centenas ficaram feridos.
Estima-se que atualmente cerca de 30% da atividade econômica do Chile corresponda à extração de cobre.

Greve na mina Escondida

A maior greve da história da mineração chilena ocorreu no início deste ano, quando os operários cruzaram os braços por 43 dias na mina Escondida, maior mina de cobre em operação no mundo. Entre os meses de janeiro e março, os cerca de 2.500 mineiros paralisaram as operações na mina de propriedade da BHP-Billiton devido à intransigência da empresa nas negociações.

Séculos de rebeliões do povo chileno contra mineradoras:  3/3/2017
Séculos de rebeliões do povo chileno contra mineradoras: 3/3/2017

A greve não conduziu a vitória significativa dos trabalhadores, mas paralisou a perda de direitos e levou a uma redução em vendas de 1 bilhão de dólares para a BHP, segundo a avaliação do sindicato da categoria.

Poluição da mina Invierno

Por volta de 2009 se instalou uma mina de carvão mineral na Ilha Riesco, sul do Chile, prometendo abastecer de energia elétrica a população da região de Magalhães, cuja capital é Punta Arenas. A contaminação do meio ambiente se fez sentir desde logo, algo ampliado pelos intensos ventos de até cem quilômetros por hora que espalham poeira em uma área imensa.

A população protesta frequentemente contra a exploração de carvão a céu aberto feita pelas empresas Copec e Ultramar, mas as gerências semicoloniais se fazem de surdas e seguem autorizando a exploração. Após uma permissão pelo conselho de ministros em 2016, a mina sofreu novo processo, recebendo 11 acusações de contaminação do solo e água por parte da Superintendência de Meio Ambiente do Chile, processo que aguarda desfecho.

Mapuches

O território mapuche também sofre com a ofensiva do imperialismo pelas riquezas minerais das semicolônias. Para isso, as transnacionais e os gerenciamentos de turno desconsideram leis que eles mesmos criaram. Uma delas é a que exige uma consulta prévia aos povos originários quando da instalação de projetos de extração mineral em seus territórios.

No fim de 2014, sete comunidades mapuche williche da província de Osorno se dirigiram à corte de apelações de Valdívia contra o velho Estado chileno, que outorgou concessões mineiras em suas terras ancestrais.

As comunidades mapuche, tanto do Chile como da Argentina, estão sendo afetadas pelos interesses extrativistas florestais, de mineração, extração de petróleo, hidrelétricas etc. e, além da sua secular luta por independência, tem ainda mais motivos para lutar.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin