35 anos do genocídio em Sabra e Chatila

 Com apoio de Israel, fascistas fizeram banho de sangue contra palestinos

Massacre de 1982 foi um dos mais sangrentos após II Guerra
Massacre de 1982 foi um dos mais sangrentos após II Guerra

Em 1982, nos campos de refugiados de Sabra e Chatila que resguardavam palestinos e libaneses, na fronteira entre a Palestina e o Líbano, ocorreu um dos maiores banhos de sangue após o término da 2ª Grande Guerra Imperialista. O número de mortos é escondido, mas estimativas apontam cerca de 3.500 assassinados.

O episódio ocorreu em meio da guerra civil libanesa, efervescente pela recente invasão de territórios árabes pelo Estado sionista em 1967 (“guerra dos seis dias”) e pelo grande fluxo migratório da massa palestina que, expulsa de suas terras, refugiara-se naquele país. Nesse contexto, o próprio Líbano fora invadido pelos sionistas em junho de 1982, quando Israel argumentou que estaria a reprimir “terroristas palestinos” escondidos. Ao mesmo tempo, também no Líbano, emergia o grupo de aspiração fascista e anti-árabe, a Falange Libanesa.

No dia 14 de setembro de 1982, logo após ser eleito presidente daquele Estado, o líder da Falange Libanesa, Bashir Gemayel, foi aniquilado em uma explosão de carro-bomba. Atribuiu-se a ação aos grupos da resistência árabe-palestina.

Dois dias depois, as milícias da Falange agem contra as massas indefesas e desarmadas para retaliar a morte do líder de seu bando. No entanto, os fascistas não poderiam efetuar tamanha ação sozinhos: contaram com o apoio, inclusive operacional, do Estado sionista de Israel, ainda que este negue.

A ação genocida de aniquilamento em massa durou 38 horas ininterruptas nos campos de refugiados de Sabra e Chatila, na periferia da capital Beirute, no Líbano.

Tal como citou a jornalista brasileira Rosana Bond em seu artigo Resistência do povo palestino (AND nº 14), no livro O massacre de Sabra e Chatila, o jornalista israelense Amnon Kapeliouk relata alguns detalhes desta operação:

“Em numerosos apartamentos, crianças de 3 ou 4 anos são encontradas de pijamas, enroladas em cobertores ensanguentados. Mas, frequentemente, os assassinos não se contentam em matar,  [e também]cortam os membros de suas vítimas antes de liquidá-las, esmagam contra a parede a cabeça das crianças e de bebês; mulheres e até meninas são violadas antes de serem assassinadas a golpes de machado. Usando o machado e a faca, os milicianos espalham o terror, abatendo sem distinção homens, mulheres, crianças e velhos. Também não distinguem entre cristãos e muçulmanos, libaneses e palestinos. Todos os que vivem nos acampamentos devem ter o mesmo fim”.

O mesmo jornalista também denuncia a participação do Exército sionista: “O general [referindo-se ao militar israelense Amos Yaron] confirma-lhes [às milícias fascistas] que suas tropas fornecerão toda a ajuda necessária ‘para a limpeza de terroristas nos acampamentos’. O general Drori, em seguida, telefona a Ariel Sharon [primeiro-ministro sionista de 2001 a 2006; à época do genocídio era ministro da defesa] e anuncia-lhe: ‘Nossos amigos estão penetrando nos acampamentos. Coordenamos sua entrada’. ‘Parabéns!’, responde Ariel Sharon, ‘a operação de nossos amigos está aprovada’”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin