41 anos da Chacina da Lapa

A Chacina da Lapa ocorreu no dia 16 de dezembro de 1976, resultado de uma operação das Forças Armadas que visava eliminar o Comitê Central do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), que se reunia na Rua Pio XI, no bairro da Lapa, em São Paulo.

Arquivo Estadão
Aparelho partidário na rua Pio XI onde ocorreram os assassinatos (Foto: Arquivo Estadão)
Aparelho partidário na rua Pio XI onde ocorreram os assassinatos

Na ocasião, os grandes dirigentes comunistas Pedro Pomar e Ângelo Arroyo foram barbaramente assassinados. O dirigente comunista João Batista Franco Drummond, também membro do Comitê Central, havia sido preso um dia antes e foi assassinado sob bárbaras torturas no odioso Destacamento de Operações de Informação - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI/Codi). Outros cinco comunistas foram presos e levados às torturas.

Este fato trágico na história do Movimento Comunista brasileiro contribuiu para o aniquilamento do PCdoB enquanto um partido revolucionário do proletariado, pois, em seguida, sua direção foi tomada de assalto por revisionistas que, sob a batuta de João Amazonas, transformaram o PCdoB neste pecedobê apodrecido e completamente integrado ao velho Estado burguês-latifundiário de hoje.

Reconstruído em 1962 com a sigla PCdoB (para se diferenciar do antigo PCB revisionista de Prestes), o partido de Pedro Pomar, Maurício Grabois e outros notáveis revolucionários dirigiu a heroica Guerrilha do Araguaia, que até os dias atuais é o mais elevado nível da luta de classes no Brasil, em que pese a dificuldade da assimilação da ideologia do proletariado, que, na época, com as grandes experiências da Revolução Chinesa, já havia evoluído em marxismo-leninismo-maoismo.

Mesmo com limitações na compreensão da ideologia do proletariado, os comunistas, ligando-se às massas camponesas, ousaram levantar a bandeira da luta armada e foram até a região do Araguaia. Lá, de armas nas mãos, verteram seu honrado sangue não só contra o regime militar-fascista pró-USA, mas pela Revolução Brasileira.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro