Chile: Democratas exigem justiça para Macarena Valdés

Cerca de 70 organizações das mais distintas localidades exigem justiça para o assassinato de Macarena Valdés, no Chile. Os democratas protestam e assinam uma carta exigindo que o Ministério Público (MP) assuma a investigação desse caso de homicídio, resultado do conflito territorial com a transnacional RP Global, que ocorreu na comuna de Panguipulli, na região de Tranguil.

Banco de dados AND
Manifestantes chilenos exigem justiça pelo assassinato de Macarena Valdés
Manifestantes chilenos exigem justiça pelo assassinato de Macarena Valdés

Macarena, que tinha 32 anos, foi assassinada em 22 de agosto de 2016. Ela era defensora intransigente dos direitos mapuche, do sagrado direito à terra e dirigia uma luta contra um projeto do monopólio transnacional RP Global na mesma região em que foi assassinada. Segundo a comunidade local, tal projeto visa construir uma hidrelétrica e ameaça a biodiversidade, trazendo impactos negativos.

De acordo com a versão divulgada pelo Serviço Médico Legal sobre a morte de Macarena, a ativista teria suicidado-se por meio de enforcamento. Entretanto, em entrevista concedida para a Rádio Universidad do Chile, o médico forense responsável pela autópsia de Macarena,  Luis Ravanal, desconsidera a primeira hipótese de sua morte. Ele disse que não havia ferimento em uma importante região do pescoço, onde seria decorrente do suposto auto-enforcamento.

Dada essa declaração, as organizações populares e a comunidade mapuche acreditam que a morte de Macarena foi efetuada por pistoleiros contratados pela RP Global Chile Energías Renovables.

A própria comunidade onde Macarena vivia denunciou que ela vinha sofrendo ameaças de morte efetuadas por capangas a serviço da RP Global. Além disso, os mapuche denunciam que tal hidrelétrica possui histórico de transgredir os seus direitos e o seu território original, que é de grande importância cultural, impondo uma série de instalações e restringindo a autonomia das massas mapuche sobre a terra.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro