Viagem com música brasileira

Formado por artistas urbanos que apresentam sua arte no meio do povo, o duo carioca UM4RTO leva música brasileira para os transportes públicos, com o objetivo de mudar o cotidiano dos passageiros. Integrantes do movimento Arte no Vagão, que leva arte, cultura e entretenimento aos trens, o UM4RTO sente cumprir seu intento e se prepara para gravar seu primeiro disco, só com músicas autorais.

UM4RTO é composto por Fernando Rabello no vocal e Sahmir Riviera, violão e segunda voz
UM4RTO é composto por Fernando Rabello no vocal e Sahmir Riviera, violão e segunda voz

— UM4RTO é composto por mim, Fernando Rabello, vocal, e pelo Sahmir Riviera, violão e backing vocal.  O nome, cuja pronúncia é “um quarto”, é porque acreditamos que o quarto é o lugar onde podemos ser nossa melhor versão. É de onde surge a inspiração, poesia e arte. É lá que conseguimos guardar nossos segredos, onde traçamos nossas metas e sonhamos.

— Atualmente estamos fazendo nossas apresentações nos trens da Supervia, trabalhando com diversos gêneros musicais, entre eles, MPB, rock, samba, tudo para tentar agradar os ouvidos de quem sai de casa para trabalhar todo dia, assim como nós. Também nos apresentamos em bares e festas particulares – explica Fernando.

— Somos da zona oeste do Rio de Janeiro, moramos em Santa Cruz, e nossas histórias com música são bem semelhantes. Eu canto desde 7 anos de idade, porém comecei levar a sério quando estava na adolescência, por volta de 15 pra 16 anos. Tive uma banda e o Sahmir a acompanhava somente como fã. 

A banda de Fernando atuou bastante, participou de festivais importantes, mas acabou decidindo parar suas atividades.

— Foi neste momento que o Sahmir entrou na minha vida, para resgatar o sonho. E assim começamos a fazer alguns vídeos interpretando sucessos da nossa querida MPB, e então ele me convidou para cantar no palco mais informal que existe, que é o trem – diz.  

— Fomos consolidando nosso projeto cada vez mais, e tendo a aceitação gradativa do passageiros e camelôs dos trens do Rio de Janeiro. Sahmir é um excelente violonista, tem talento nato para música. Aos 21 anos conseguiu tocar como profissional tirando muito som do instrumento mais democrático que existe, o violão, além de tocar outros instrumentos de corda com tamanha precisão – elogia.

— O violão se torna popular devido a grande quantidade de informações existentes para que as pessoas tenham facilidade em aprendê-lo: por revistas, que foi o caso do Sahmir, videoaulas na internet etc além de ser um dos instrumentos mais baratos.  A partir do violão, o interesse em aprender outros instrumentos aumenta, e a pessoa vai criando um artista dentro de si, seja para tocar para si mesmo ou para levar como profissão, que é o nosso caso – expõe.

Levando arte e alegria para o povo

— Somos artistas urbanos que tentam mudar pelo menos um por cento do cotidiano das pessoas, entre passageiros, camelôs etc. Sabemos que o nosso querido Rio de Janeiro está vivendo momento caótico, os passageiros podem ter tido um dia ruim ou estão com muitos problemas, é aí que entramos, para levar aos passageiros o que fazemos de melhor: música e alegria – explica Fernando.

— Assim tentamos levar cultura em forma de música para a maior parte da população do nosso estado, que são as  . Interferindo no dia a dia de cada um, a arte promove essa conexão entre as pessoas, mesmo de forma indireta. Todo artista urbano dá um pouco de si para ser parte do dia do outro – declara.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro