Datas memoráveis do proletariado

Batalha de Santa Elina – 9 de agosto de 1995: Policiais e pistoleiros a mando do governador estadual Valdir Raupp (PMDB) atacaram dezenas de famílias que ocupavam as terras da fazenda Santa Elina. Os mais destacados dirigentes da resistência foram perseguidos, torturados e executados. Entretanto, apesar da desigualdade de forças, a reação encontrou enorme resistência e bravura dos camponeses e camponesas ali acampados. Apenas com pedaços de pedras, paus e poucas armas de fogo, aqueles homens e mulheres do povo enfrentaram as hordas policiais durante toda a madrugada.

A Batalha de Santa Elina proporcionou um grande embate ideológico-político no seio do movimento camponês, justamente por ter demonstrado a face mais cruenta do latifúndio, assim como o apoio e a cumplicidade do velho Estado com aquele e, principalmente, por ter demonstrado a força da resistência camponesa, desmascarando o fracasso da conciliação de classes e do pacifismo promovidos pelo oportunismo.

Dessa batalha formou-se um núcleo de resistência que sustentava a bandeira da Revolução Agrária e de um movimento camponês combativo, que resultaria na fundação da Liga dos Camponeses Pobres (LCP).

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

 Grande Revolução Cultural Proletária (GRCP) – 17 de agosto de 1966: É iniciado, sob a justa direção do Presidente Mao Tsetung, o que pode ser considerado um dos maiores movimentos de massas da história. Proletários, camponeses, combatentes do Exército Popular de Libertação, estudantes e quadros de esquerda do Partido Comunista da China uniram-se para combater a burguesia e o revisionismo no campo ideológico e político. Com o lema A classe operária deve dirigir tudo!, as massas revolucionárias ousaram criticar as ideias burguesas que persistiam na mente das pessoas para transformar profundamente a cultura e os valores ideológicos da China, objetivando colocar a superestrutura em correspondência com o modo de produção socialista. Nesse período, aumentou-se ainda mais a experimentação e avanços científicos, além da produção; na política, dirigentes que se deixavam corromper com ideologias burguesas e tentavam levar a China para o caminho capitalista, como o revisionista Liu Chao-chi, foram isolados, criticados e derrubados por milhões de massas que assumiam conscientemente a ideologia do proletariado e participavam da luta de duas linhas que ocorria dentro do Partido. A GRCP, que durou até 1976, foi o mais alto patamar alcançado pela Revolução Proletária Mundial.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin