Truculência policial em todo Brasil

Somente em 2017 a Polícia Militar de SP matou 940 civis, em dados subestimados – número que só é menor que o de 1992, ano do Massacre do Carandiru. Desse total, 74% das ocorrências foram registradas como “excessos por parte dos policiais”.

Ellan Lustosa/AND
Somente em São Paulo, a Polícia Militar matou 940 pessoas em 2017
Somente em São Paulo, a Polícia Militar matou 940 pessoas em 2017

Moradores de favelas de todo o Brasil, especialmente do Rio de Janeiro, sentem na pele o medo da violência imposta pelo velho Estado. O aplicativo Defezap (serviço de denúncias realizadas por celular) recebeu, em dois anos, 360 relatos denunciando abusos de policiais. Desses, 111 foram encaminhados a averiguação, porém, nenhum agressor foi responsabilizado até agora.

Muitos são os casos em que moradores são impedidos de entrar nas próprias casas, têm as residências arrombadas, enquanto os policiais usam o banheiro, comem o que está na geladeira e humilham as pessoas. Somente no mês de agosto, foram registradas uma série de ocorrências que demonstram o abuso de autoridade e uso arbitrário de força contra a população por parte dos policiais.

Costureira é assassinada

A costureira Vânia Silva Tibúrcio, de 37 anos, foi baleada no pescoço por um policial militar na noite de 21 de agosto em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Vânia estava com o marido enquanto dirigia até um posto do Detran para regularizar um veículo que foi recuperado após ter sido roubado. Quando passavam pela avenida Presidente Kennedy, na região de Jardim Gramacho, foram parados em uma blitz. Mesmo com o carro parado, o PM atirou contra a costureira.

Vânia foi levada para o Hospital Municipal Moacyr do Carmo, em Duque de Caxias. A bala entrou pela lateral do pescoço e atingiu duas vértebras, a C2 e a C3. A vítima teve morte cerebral.

PMs atacam ambulantes

Em grupos de whatsapp circulou um vídeo mostrando policiais dando socos, chutes e golpes de cassetetes em vendedores ambulantes enquanto os imobilizam na frente de uma base comunitária móvel da Polícia Militar (PM).

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin