Universidades são alvo de Macri/FMI

Docentes e estudantes argentinos lutam contra o desmonte

Banco de dados AND
Ataques à educação são parte das medidas impostas pelo FMI
Ataques à educação são parte das medidas impostas pelo FMI

No dia 30 de agosto professores, estudantes, pesquisadores acompanhados por amplos setores da população se mobilizaram contra o corte no orçamento para as 57 universidades públicas do país.

Na capital argentina, o povo concentrou-se frente ao Congresso e marchou até a Praça de Maio, em frente à Casa Rosada (sede do governo), onde reuniam-se 300 mil pessoas, mesmo enfrentando uma forte chuva.

“Na Casa Rosada há um grupo de empresários determinados em destruir a universidade pública. E aqui [nas ruas] há centenas de milhares determinados em defendê-la.”, declarou Luis Tiscornia, secretário geral da Federação Nacional de Docentes, Pesquisadores e Criadores Universitários (Conadu Histórica).

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

“A universidade argentina é a única produtora dos conhecimentos necessários para que nós, argentinos, tenhamos o futuro que merecemos. Por isso estamos aqui todos juntos. O governo, evidentemente, pretende que isso acabe, pretende jogar fora as conquistas e direitos do povo. A luta vai nos colocar à altura das circunstâncias.”, afirmou Walter Merkis, secretário geral da Federação Argentina de Trabalhadores de Universidades Nacionais (Fatun).

Além de exigir mais fundos para a educação e repudiar o “ajuste fiscal” imposto pelo FMI, os docentes reivindicam um reajuste salarial de 30% para repor perdas da inflação, porém o governo só oferece 15% em três parcelas. Os estudantes, por sua vez, lutam por bolsas, restaurantes universitários e tarifa livre no transporte.

Ante a postura intransigente do governo Macri, o conflito já dura mais de um mês, com a paralisação dos docentes e com estudantes ocupando aproximadamente 30 faculdades. O ministro da fazenda Nicolás Dujovne prepara novos ataques contra os direitos dos trabalhadores. O povo em repúdio, organiza-se para realizar uma nova greve geral no próximo 25 de setembro.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin