França: 50 mil ‘coletes amarelos’ voltam às ruas

Mais de 50 mil manifestantes voltaram a tomar as ruas da França no oitavo grande protesto contra o governo de Emmanuel Macron e suas medidas antipovo, no dia 5 de janeiro. Os protestos ocorreram em várias cidades e tomaram forma violenta, principalmente em Paris, arrastando-se pelos bairros pobres.

Os manifestantes atacaram especialmente prédios governamentais, sedes da polícia local, concessionárias, grandes comércios e grandes estabelecimentos. Um trator destruiu o portão de um prédio ministerial em Paris, onde trabalha o porta-voz do governo, Benjamin Griveaux, que precisou ser retirado às pressas por seguranças.

Em várias outras cidades menores, como em Rouen e em Caen, também ocorreram confrontos entre a repressão policial, que buscava calar os manifestantes, e a revolta popular. Delegacias foram incendiadas e barricadas erguidas.

Os protestos iniciaram-se em 17 de novembro contra o aumento no preço dos combustíveis, que impactava diretamente o salário dos trabalhadores – a alta dos combustíveis eleva o preço de todas as demais mercadorias por conta do transporte e distribuição. O aumento de impostos sobre combustíveis é uma das medidas que estão sendo aplicadas pelo governo Macron, enquanto promove isenção fiscal para corporações e grandes burgueses.

A onda de protestos, conhecida como protestos dos “coletes amarelos” (tipo de vestimenta obrigatória para motoristas na França), foi uma explosão espontânea de massas proletárias, trabalhadores liberais e pequenos proprietários urbanos. Em pesquisas realizadas na França, 84% da população considerou justos os protestos. O movimento, em um dado grau de desenvolvimento, passou a questionar o próprio governo e a falsa democracia.

Protestos não autorizados proibidos

O primeiro-ministro da França, Edouard Philippe, afirmou, no dia 7 de janeiro, que apresentará para o parlamento uma proposta de proibição de todos os protestos e manifestações que não forem previamente autorizadas pelas “autoridades”. Essa e outras propostas estão sendo discutidas entre os políticos da França com objetivo de pôr fim e prevenir novos protestos combativos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin