Filipinas: Exército comete atrocidades contra o povo

Em entrevistas dadas à imprensa ianque The Washington Post, membros de povos tribais, figuras religiosas, professores e ativistas que trabalham em Mindanao ou em outras regiões onde está presente a guerra popular acusam o velho Estado semicolonial filipino de uma série de abusos contra os direitos do povo.

Dondi Tawatao, Getty Images
Em resposta às atrocidades do Exército, povo se organiza com maoistas no Novo Exército do Povo (foto: Dondi Tawatao, Getty Images)
Em resposta às atrocidades do Exército, povo se organiza com maoistas no Novo Exército do Povo (foto)

Há relatos de sabotagem nas entregas de comida e medicamentos dentro dos vilarejos e trabalhos de grupos paramilitares que matam cidadãos filipinos que moram perto de zonas guerrilheiras, com a justificativa de que eles têm alguma ligação com o Novo Exército do Povo (NEP), dirigido pelo Partido Comunista das Filipinas (PCF).

Os moradores dessas áreas afirmam que se eles denunciarem as atrocidades feitas pelo Exército reacionário filipino do governo Duterte, ou se recusarem a colaborar com as empresas multinacionais de mineração da região, são imediatamente rotulados como “simpatizantes do comunismo” e muitas vezes levados para interrogatórios.

“Eu fui acusado de incitar um protesto, apenas porque estava visitando famílias que foram deslocadas de suas casas por conta de um ataque militar, fui levado para interrogatório.”, relata Raymond Ambray, um padre católico que trabalha em áreas de tribos indígenas.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin