Arte e militância: Rodolfo Walsh, A Palavra Definitiva

No momento em que o obscurantismo ressurge com toda força em nosso cotidiano e a perseguição indiscriminada a todo pensamento democrático ganha o verniz da legalidade na semicolônia onde canta o sabiá, nada melhor do que conhecer um pouco mais sobre a vida, a militância e a obra de um dos mais importantes escritores latino-americanos de todos os tempos: Rodolfo Walsh.  

Banco de dados AND
Rodolfo Walsh foi militante revolucionário e intelectual ligado à luta das massas
Rodolfo Walsh foi militante revolucionário e intelectual ligado à luta das massas

Escrito pelo filósofo, escritor e cineasta André Queiroz, o livro Rodolfo Walsh, A Palavra Definitiva, escrita e militância, narra a trajetória do autor de Operação Massacre, Quem matou Rosendo? – primeiros esboços de um estilo narrativo que ficaria conhecido como novo jornalismo ou jornalismo literário – Essa Mulher, Dez contos policiais argentinos, mostra sua militância contra o fascismo e todas as formas de terrorismo de Estado.

Ao invés da linearidade das biografias tradicionais, André Queiroz se utiliza de diversas assertivas para analisar os aspectos políticos e socioeconômicos do tempo histórico em que Rodolfo Walsh viveu, e sem o qual seria impossível compreender o seu trabalho intelectual e dimensão política. O recorte começa no início dos anos 50, período em que Walsh vai naturalmente afastando-se do ideário literário pequeno burguês dos seus contemporâneos para transformar-se no escritor orgânico revolucionário e militante das décadas seguintes. A extensa pesquisa feita por André Queiroz será fundamental para a reflexão que ele fará sobre os cenários das lutas ocorridas na Argentina no início da década de cinquenta até o golpe de estado de 1976.

É o período em que a América Latina entrará no tabuleiro da “Guerra Fria”, principalmente após a Revolução Cubana e o seu alinhamento com o social-imperialismo da URSS. Com o aumento das tensões entre as duas superpotências, o imperialismo ianque apresentará uma nova versão da sua inesgotável selvageria, patrocinando todo regime genocida capaz de implantar políticas econômicas que subjugassem as economias locais e espoliassem suas riquezas em nome da luta anticomunista. Essa cartilha foi utilizada em praticamente todos os países da região, e o seu êxito se deve basicamente à subserviência das classes dominantes locais, associadas ao monopólio da imprensa e a Igreja, resultando nos sanguinários regimes militares fascistas do período.

A Prensa Latina e os Montoneros

É notório que nenhum velho Estado semicolonial e semifeudal sustenta-se sem o apoio do monopólio da imprensa, por meio de uma narrativa que desmoralize todo projeto de emancipação popular. Para se contrapor a essa narrativa foi criada em 1959, em Cuba, a “Prensa Latina”, uma das principais experiências do jornalismo militante na região. Com escritórios de correspondência em 26 países da América Latina, e em cidades como Washington, Nova Iorque, Londres, Paris, Genebra e Praga, o número de despachos diários da Prensa Latina chegou a equivaler ao das agências estadunidenses. A diferença era a qualidade das reportagens, cujas investigações minuciosas, calcadas na materialidade dos fatos, se diferenciavam daqueles produzidos pelas grandes agências que, nas palavras de Walsh, não iam além dos despachos ministeriais e do lobby hoteleiro.

Devido a sua experiência investigativa na produção dos livros Operación Massacre e Caso Satanowsky, Rodolfo Walsh acabou assumindo o cargo de coordenador do Departamento de Serviços Especiais da Prensa Latina, responsável pela elaboração de análises sobre os problemas políticos e culturais do continente. Da experiência na Prensa Latina ele sairá com a certeza de que o seu papel no processo revolucionário teria que ir além da posição de escritor ou jornalista, e isso será fundamental para entendermos a sua entrada na organização Montoneros, organização revolucionária defensora da luta armada.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin