Crime da Vale: lama envenena território Pataxó

A Aldeia Pataxó Naô Xohã, do povo Pataxó Hã-hã-hãe, no município de São Joaquim das Bicas, em Minas Gerais, foi atingida no dia 26 de janeiro pela lama liberada pelo rompimento da barragem da mineradora Vale, no crime ocorrido em Brumadinho. A aldeia Naô Xohã fica às margens do Rio Paraopeba, que agora, de acordo com o governo do estado de Minas, está infectado e representa perigo às saúdes humana e animal. 

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) esteve presente na aldeia e relatou em matéria publicada no seu portal as consequências da ingerência da mineradora no campo mineiro. “A água ontem estava clara, mas hoje está vermelha escura. Já tem um bocado de peixe morto, boiando, com a boca para fora pedindo socorro.”, denunciou o cacique pataxó em entrevista ao Cimi.

A aldeia tem a extensão de 33 hectares nos quais vivem 25 famílias produzindo milho, mandioca, banana, diversas frutas e hortaliças, além de manter pequenas criações de animais. Hoje, ela vê sua existência ameaçada.

O cacique lembra que o Rio Paraopeba é “uma coisa que é de sustento não só dos Pataxó, mas de várias famílias”, e que é muito triste vê-lo “acabado, marrom, com os peixes agonizando”. O cacique comparou a situação do rio à de uma espécie de vômito da natureza que sofre com as consequências das ações do “homem branco” (não indígena).

Por consequência do rompimento da barragem, algumas prefeituras ordenaram a evacuação de populações às margens do rio. Os Pataxós, porém, recusam-se com medo de perder suas terras e também da dura vida nos pequenos centros urbanos da região.

O cacique Pataxó ainda relata que os anos de abandono deixam as perspectivas da aldeia ainda mais preocupantes nesse futuro próximo. “A Funai nos ajuda muito pouco. O rio era a nossa fonte de vida e a de muita gente aqui nessa região. Vidas perdidas, o rio destruído… é uma tragédia.”, lamenta.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin