Indígenas realizam ocupações pelo país

O mês de julho começou com diversas ações dos povos indígenas contra as medidas predatórias e violentas do velho Estado reacionário. Lutando contra o genocida projeto do governo de Jair Bolsonaro, dos generais e dos parasitas do latifúndio (agronegócio), várias etnias fizeram do espaço público um local de ocupação e reivindicação dos seus direitos.

Cátia Salles
Ocupação na sede da Sesai, em Brasília
Ocupação na sede da Sesai, em Brasília

Em Brasília, 115 etnias ocupam desde o dia 9 de julho a sede da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai). Eles pedem a saída da secretária Silvia Waiãpi, o restabelecimento da autonomia de gestão do órgão, a normalização dos repasses mensais, renovação de contratos emergenciais de transporte, o retorno da participação social, transparência no orçamento e a reativação dos conselhos que foram extintos arbitrariamente.

De acordo com as lideranças do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI), o governo é um inimigo permanente da saúde dos povos indígenas. Desde que ele alterou o Sesai por decreto, a secretaria perdeu por completo o seu caráter social. “Depois que a Silvia entrou, a secretaria sofreu um verdadeiro desmonte. Hoje, os distritos não têm mais autonomia para poder fazer o trabalho. Eles não municipalizaram a saúde, mas desmancharam a secretaria. Se você não tem autonomia de gestão, você não toma decisão. A impressão é que a Sesai acabou”, afirma Kretã Kaingang, coordenador executivo da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil para a Região Sul, em entrevista para Agência Porantim.

Ocupações se espalham pelo Pará

No Pará, o povo Munduruku conseguiu impedir uma audiência pública que seria realizada no dia 2 de julho, na cidade de Itaituba, para discutir o licenciamento da estação de Transbordo de Carga no rio Tapajós. Além de não terem sido consultados sobre o empreendimento, o povo Mundukuru, assim como outras etnias e grupos sociais presentes no local, se mostrou frontalmente contra o projeto e inviabilizou a continuidade da audiência. Em carta divulgada à imprensa, o povo Munduruku denuncia a destruição que o governo de turno está trazendo para rio Tapajós.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro