Jazz e instrumentos sinfônicos ao alcance do povo

Com o objetivo de defender, difundir e popularizar o jazz, o duo Jazz Sweet Jazz, formado pelo contrabaixista Ighor Albuquerque e pelo clarinetista João Emanuel, apresenta-se em transportes públicos do Rio de Janeiro. Cariocas, os jovens encontram na profissão de artista de rua a possibilidade de levar arte ao povo, fazendo com que este tenha contato com um gênero musical elitizado e com instrumentos que muitas vezes só estão em salas de concerto, local de difícil acesso para a população pobre.

— Eu e o João nos conhecemos na Academia Juvenil da Petrobras Sinfônica, na Lapa, e começamos a tocar juntos. Fizemos versões de Jazz Standard, com mistura do funk para deixar a cara do Rio, e passamos a tocar no metrô. O nome Jazz Sweet Jazz surgiu porque queríamos algo com três sílabas e que soasse bem quando gritássemos dentro dos vagões, e também por causa do som da clarineta, que é doce, tradução da palavra sweet para o português – conta Ighor Albuquerque.

— Através das nossas apresentações no metrô conseguimos levar o jazz até muitas pessoas. E esse trabalho nos proporcionou muitos outros, porque sempre distribuíamos nossos cartões e algumas pessoas nos ligavam e nos contratavam para tocar em casamentos, festas de crianças, enfim, vários eventos – continua.

Desde junho de 2019 foram proibidas, pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, as apresentações artísticas nas estações e vagões de trem, metrô e nas barcas.

Jovens aplicam técnicas de música sinfônica com formas modernas

— Procuramos valorizar essa profissão de artista de rua, porque ela nos dá a oportunidade de estar em contato direto com as pessoas, no meio da correria do dia a dia.  Além dos transportes públicos, já tocamos bastante nas ruas e sempre tivemos uma ótima resposta do público, alcançando o nosso objetivo – expõe Ighor.

— O jazz é música preta, feita pelos pretos e para os pretos. Mas depois de um tempo ele começou a ser elitizado, porque os brancos passaram a ouvir e apreciar o gênero. Então a partir daí, normalmente os brancos é que escutavam, desfrutavam enquanto os pretos tocavam. Vários artistas pretos se destacaram no jazz. Então não foi somente a sonoridade que nos atraiu para o jazz, mas também a sua história – explica.

Jazz é uma manifestação artístico-musical que teve sua origem nas comunidades pobres de Nova Orleães, sul do USA, local de forte discriminação e perseguição ao povo preto. Desde o seu surgimento, no início do século XX, o jazz produziu uma grande quantidade de subgêneros, como: swing, jazz latino, fusion, dixielano, bebop. Por conta da sua divulgação mundial, o jazz se adaptou a estilos musicais locais, surgindo assim uma grande variedade melódica, harmônica e rítmica.

Arte e convicção

— Para que as pessoas possam reconhecer, familiarizarem-se com a música, começamos misturando o jazz com outros ritmos, um pouco de funk por exemplo, e depois o apresentamos de fato. A aceitação é imediata e o motivo principal, acreditamos, é o fato dessa música ser propriedade do povo, dos pretos, das pessoas da rua, daqueles que estão na correria pela sobrevivência – afirma Ighor.

— Muita gente não tem acesso a esse universo e fica muito feliz ao ter contato com o jazz e com os nossos instrumentos, o contrabaixo e a clarineta, um mundo distante de muitos. É por isso que queremos continuar com esse trabalho de mostrar para o povo a sua música, a arte, e não deixar que fique somente restrita a um grupo pequeno de pessoas que têm dinheiro – continua.

— Além dos transportes públicos e das ruas, já tocamos também em bares à noite, mas infelizmente constatamos que tocar nos bares do Rio é muito sofrido, no sentido da nossa sobrevivência, porque os donos não querem pagar. Por exemplo, o bar oferece 200 reais para dividir entre cinco pessoas de uma banda. Os quiosques também são iguais, enfim, passar o chapéu é bem melhor – acrescenta.

Ighor considera o contrabaixo acústico como o seu instrumento principal, mas também toca saxofone. João Emanuel considera a clarineta, e também toca saxofone, flauta e violão.

— Comecei minha vida musical em um projeto social na comunidade Dona Marta, em Botafogo, e  depois no morro Chapéu Mangueira, no Leme. Moro no pé do morro Chapéu Mangueira, no Leme, mas minha avó mora lá em cima no morro e daí vem o meu contato com o pessoal da comunidade, todos os meus amigos são de lá. Já o João Emanuel mora em Ricardo de Albuquerque, zona norte do Rio – conta Ighor.

— Fiquei no projeto social dos 13 aos 18 anos de idade, quando passei a fazer parte da Camerata Laranjeiras, e ali foi o melhor lugar para mim, me abriu muitas portas, por exemplo, com a orquestra consegui ir para a Suécia e Alemanha, tocamos muito por lá. Retornando, me formei na escola de música Villa-Lobos e na Academia da Petrobras, e atualmente estou estudando música na Unirio – declara.

A Camerata Laranjeiras é uma orquestra de cordas independente, que visa desenvolver habilidades musicais e interpessoais entre jovens músicos de diversas classes sociais e lugares. Tem sua sede na Casa da Música, em Laranjeiras, bairro da zona sul do Rio.

— O nosso trabalho no duo tem sido muito gratificante para nós. Tocamos vários nomes importantes do jazz, também blues, tocamos um pouco de pop, e não esquecemos do samba, do funk, enfim, tudo está inserido no nosso repertório, sendo que temos como base a ideia de levar tudo para o jazz, por exemplo, usamos a linguagem do jazz e misturamos com o funk brasileiro – explica Ighor.

— No momento estamos tentando entrar em uma mistura de jazz, trap, hip-hop, com beat, temos estudado bastante, trocando ideias e pretendemos seguir com tudo. Temos uma música no Spotify e já estamos criando as nossas próprias músicas, mas nada foi lançado ainda – continua.

— Nós desejamos espalhar arte por toda a parte, fazer com que as pessoas tenham contato com música instrumental, que conheçam de perto os nossos instrumentos. Queremos que o povo se aproprie da boa música, que as pessoas possam ter acesso a uma música de qualidade – finaliza.


Os contatos dos artistas são: (21) 99515-9931, (21) 98813-8402 e @jazzsweetjazz.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin