PA: Indígenas fecham rodovias contra invasões de suas terras

A- A A+

Nos dias 17 e 18 de agosto os povos indígenas Kayapó e Suruí fecharam duas importantes estradas localizadas no estado do Pará, a BR-163 e a BR-153, em protesto contra as invasões de terras de grileiros e madeireiros e em denúncia ao abandono do velho Estado.

No primeiro dia, cerca de 200 indígenas kayapó, com pinturas de guerra, interditaram por mais de um dia a BR-163 mesmo sob ameaças da repressão. O bloqueio da via ocorreu  perto do município de Novo Progresso, no sudoeste do estado do Pará, a cerca de 1,8 quilômetros de Belém.

Jovens são mortos por operação punitiva da polícia.

Jovens são mortos por operação punitiva da polícia.
Banco de Dados/AND

Barricadas de pneus e pedaços de madeira foram construídas na ponte sobre o rio Disparada. Em frente às barricadas havia uma faixa com os seguintes dizeres: Em defesa da Amazônia! Sem ouvir indígenas, não terá concessão e Ferrogrão! Não aceitaremos! Apenas ambulâncias estavam sendo autorizadas a passar pelos manifestantes.

Segundo as lideranças, a ação foi em protesto contra a falta de recursos para o combate ao desmatamento ilegal,a invasão de grandes madeireiros e garimpeiros em suas terras e a falta de apoio no enfrentamento à pandemia de Covid-19 nas Terras Indígenas (TIs) Baú e Mekragnotire, onde vive o povo Kayapó Mekragnotire. Mais de 400 casos confirmados e quatro óbitos (todos de idosos) foram registrados nas duas TIs.

Eles protestam ainda contra a construção de mais um grande projeto na Amazônia sem consulta prévia aos povos indígenas no processo de concessão: a Ferrovia EF-170, um projeto previsto em R$ 12,6 bilhões com extensão total de 1.142 quilômetros, cujo traçado projetado passa a 50 quilômetros da TI Baú. Os latifundiários  a chamam de Ferrogrão, devido seu objetivo principal: aumentar a exportação de soja e milho e a importação de agrotóxicos pelos portos da Amazônia. A proposta é de, inicialmente, serem construídos 933 quilômetros no trecho que vai de Sinop, no Mato Grosso, até o porto de Miritituba, em Itaituba, no Pará.

Na tentativa de intimidar os indígenas, a juíza federal Sandra Maria Correia da Silva, da comarca de Itaituba, determinou a retirada do bloqueio pela Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal (PRF) e estipulou multa diária de R$ 10 mil para os Kayapó em caso de descumprimento. Apesar disso, eles se mantiveram firmes na luta e até as 11 horas da manhã do dia 18/08 mantiveram a estrada bloqueada. 

Já no dia 18/08, indígenas do povo Suruí interditaram por cerca de 10 horas a BR-153, localizada no município de São Geraldo do Araguaia, no sudeste do estado do Pará.

O protesto ocorreu devido ao não cumprimento de um acordo firmado pela prefeitura do município, no qual estabeleceram a realização de obras nas aldeias da TI Sororó. A prefeitura deveria construir, segundo o acordo, postos de saúde, caixa d´água, serviço de iluminação, pavimentar estradas e instalar um viveiro de peixes. A ação resultou no reagendamento do início da obra, adiado para  25/08.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza