Trabalhadores dos Correios protestam pelo país

Trabalhadores dos Correios estão realizando protestos e passeatas em vários estados do país. Em Belo Horizonte, no dia 18 de agosto, um dia depois da aprovação de greve nacional, funcionários do Sindicato dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios Telégrafos e Similares (Sintect) fizeram ato. O movimento começou na praça da Estação e seguiu até a agência da empresa na avenida Afonso Pena, próximo à prefeitura. Mais de 1,6 mil trabalhadores participaram da manifestação.

“É um ato muito forte. A greve é o único instrumento de luta dos trabalhadores em relação aos ataques da direção da empresa, que brinca com a saúde dos funcionários. Muitos já perderam suas vidas por Covid-19 por ter contraído essa enfermidade no setor de trabalho. Em vez de discutir medidas sérias de prevenção, profilaxia, a empresa vem com proposta de exclusão de acordo de trabalho”, afirma Higor Mendes, diretor do Sintect-MG. 

Funcionários dos correios deflagraram greve em 17/08.

Funcionários dos correios deflagraram greve em 17/08.
Foto: Fentect

Em São Paulo, no dia 19/08, funcionários do Sintect se reuniram em frente ao estádio do Pacaembu, na praça Charles Miller, na zona oeste da capital paulista. A manifestação começou às 9h40 e contou com uma carreata, durante a qual funcionários que aderiram à greve foram a diversas agências mobilizar os funcionários a se unir à luta.

Em outro ponto da capital paulista, no mesmo dia, por volta das 13h30, trabalhadores também protestaram na rua Mergenthaler, no bairro da Vila Leopoldina, zona oeste de São Paulo.

Em Curitiba, no dia 21/08, os trabalhadores se concentraram em frente às agências da avenida João Negrão, no bairro Rebouças e, segundo o Sindicato dos Trabalhadores dos Correios no Paraná (Sitcom), a adesão à greve no estado era de 70%.

A greve se estendeu por todo o Brasil e em diversos outros estados, como no Amapá, Bahia, Espírito Santo, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande Do Sul, e em Brasília, no Distrito Federal, onde também houve protestos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin