Guedes cria ‘bolsa privatização’ para venda da Eletrobrás

O Ministério da Economia do governo vende-pátria de Bolsonaro e generais criou o “bolsa privatização” para altos diretores da Eletrobrás. O Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE) denunciou em boletim, divulgado no dia 30 de março, que em um ano estes altos diretores bolsonaristas podem ganhar até 12 honorários, cujos valores chegariam a mais de meio milhão de reais no total por diretor.

REUTERS/Ueslei Marcelino

Privatização da Eletrobrás fará com que a energia elétrica fique ainda mais cara

A premiação chamada de “Indicador de Demandas da Capitalização” cumpre o papel de incentivar a que estes altos diretores da Eletrobrás acelerem o processo de venda da estatal. De acordo com a denúncia, Guedes, através da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (SEST), subordinada ao Ministério da Economia, colocou a proposta no documento “Proposta de Administração para a Assembleia Geral Ordinária da Eletrobrás”.

O tópico dedicado a absurda proposta prevê o pagamento de até 12 honorários no valor R$ 52.355,71 para o presidente da empresa e no valor de R$ 49.862,59 para os diretores, com uma parte paga em 2022 e a outra nos próximos anos. Somados, cada um dos 12 honorários totalizam  R$ 628.268,52 e R$ 598.351,28, respectivamente. A assembleia será realizada no dia 22 de abril.

O artifício é mais uma manobra do governo militar genocida de Bolsonaro e generais com vista a cumprir o objetivo de vender o maior número possível de estatais, para entregar o País de vez, nas mãos do capital financeiro imperialista e destituir a Nação de suas riquezas e autossuficiência.

Eletricitários em luta

Contra o avanço das privatizações, a luta dos trabalhadores vêm impedindo que os anseios de entreguistas culminem. No caso da Eletrobrás, por exemplo, os trabalhadores deflagraram uma grande greve nacional em janeiro. Cerca de 80% dos funcionários da estatal aderiram à greve em todo Brasil. Os eletricitários lutam para defender seus direitos e contra os abusos e arbitrariedades cometidos pela direção da empresa a mando do governo militar antipovo e vende-pátria de Bolsonaro e generais.

Os eletricitários denunciam que a empresa vem rebaixando as condições de trabalho, promovendo demissões e sucateamento para impor a privatização. Os trabalhadores denunciam que a empresa, ao ser privatizada, oferecerá um serviço à população ainda mais caro e de baixíssima qualidade, pois os lucros dos acionistas seriam maximizados para cobrir os dividendos e enriquecê-los, tal como acontece com a Petrobrás no caso da adoção do Preço Paritário Internacional (PPI).

Congresso corrupto aprova a privatização

O texto-base da medida provisória que autorizou a privatização da Eletrobrás foi aprovado em meados de 2021 pelo Congresso Nacional. A aprovação se deu após negociações entre os deputados corruptos e o governo militar reacionário, por meio do método chamado “toma lá, dá cá”.

Esse sistema de troca de favores foi amplamente criticado por Bolsonaro antes de assumir a presidência. Em entrevista ao Canal Livre na Band em 29/11/2017, o reacionário declarou demagogicamente: “Toda a imprensa pergunta pra mim: 'Como você vai governar sem o ‘toma lá, dá cá’?' Eu devolveria a pergunta à vocês: existe outra forma de governar, ou é só essa? Se é só essa, eu tô fora! Se é para aceitar indicações políticas, a raiz da ineficiência do Estado e da corrupção, aí fica difícil você apresentar uma proposta que possa realmente proporcionar dias melhores para a nossa população.”.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin