Novo cenário e promessas antigas

Novo ano e eis que estratagemas surgem desenhados com vistas às eleições de outubro. O golpe é visível e claro, mas sempre funciona. Recentemente, o diretório nacional do PT teceu críticas vigorosas à política econômica, como se nada tivesse a ver com a desmoralizada gestão encastelada no Palácio do Planalto.

O próprio presidente da República, Luiz Inácio, fala como se tivesse ascendido ao cargo isoladamente, sem vínculo político-partidário com o PT. E o ex-ministro da Educação, Tarso Genro, escreveu artigo devastador na página da legenda (Internet), desmontando o ex-ministro-chefe da Casa Civil Zé Dirceu (PT-SP).

Procura-se confundir de forma generalizada para mobilizar a opinião pública em torno de projeto de reeleição presidencial. Mas parece que há exagero na medida.

Ninguém se refere ao fato de que "os bancos que operam no Brasil lucraram 19 bilhões e 599 milhões de reais, entre janeiro e setembro deste ano", segundo reportagem assinada por Ney Hayashi da Cruz e publicada na Folha de S. Paulo em 13 de dezembro último. A exclusão social adiciona combustível para a arrebentação.

Em Hong Kong, onde foi participar de reuniões da Organização Mundial do Comércio - OMC, o ministro Luiz Fernando Furlan (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) afirmou que "o governo não faz sinalizações, não traça cenários, objetivos, nem estabelece meios para atingi-los". É o samba do crioulo doido.

O mesmo cenário se desdobra pelos diversos estados de nossa Federação e segue no mesmo ritmo. Governistas se transformam em oposicionistas e discutem fórmulas malucas que logo serão esquecidas. Deseja-se apenas a perpetuação de cargos e mandatos. Os "honestos" de hoje continuarão desonestos como sempre e como nunca.

Que fez a administração petista em quase três anos de desmando? Aparelhou o Estado, colocou analfabetos crônicos e desqualificados renitentes em postos de comando, deu seqüência a desmonte deliberado da economia e jogou a todos na rua da desesperança. O medo insiste em se fazer presente.

Além disso, contribuiu enormemente para a fragilidade das instituições, na utilização de ardis que impeçam a apuração de infindáveis desmandos. Quando a CPI do Banestado flagrou o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, na prática de crimes de fraude fiscal e evasão de divisas (entre outros), que fez Luiz Inácio?

Baixou Medida Provisória e colocou o cargo que Meirelles ora ocupa no mesmo plano ministerial, evitando que fosse questionado judicialmente nas primeiras instâncias. Somente o Supremo Tribunal Federal - STF -, pode julgar o presidente do Banco Central.

A desmoralização das instituições brasileiras, por parte dos que deveriam defendê-las e preservá-las, é fato que não se tem como negar. Imagine-se uma chamada casa de família, na qual os moradores se dedicassem a orgias e bebedeiras, deixando as portas abertas para que os passantes observassem tal comportamento. Como exigir respeito?

É isso o que acontece no Brasil, fazendo com que a possibilidade de ruptura institucional seja mais e mais iminente. A roubalheira é indiscriminada, a punição dos culpados inexiste e o desarranjo é generalizado.

Desejar que tudo seja mudado como num passe de mágica, através de um voto depositado na urna, é desconhecer o tipo de arrumação política que impede a troca de personagens nas estruturas e eterniza a miséria. Tempos bicudos estão vindo por aí.


Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin