Estudantes falam ao A Nova Democracia

A Nova Democracia entrevistou as estudantes Flávia Portugal Braga (História) e Carolina Figueiredo de Sá (Pedagogia), ambas alunas da Universidade Federal de Minas Gerais, e membros da organização Estudantes do Povo, sobre a atitude da reitoria da universidade e o processo de privatização do ensino público. Carolina é uma das alunas que tiveram suas matrículas canceladas pelo não pagamento da taxa de matrícula.

AND – Como vocês classificam a atitude da reitoria da Universidade?

Carolina – Foi uma atitude antidemocrática. Uma posição política da reitoria em repressão a um movimento organizado e combativo em defesa do ensino público gratuito. Não esperou a decisão da Justiça para cancelar nossas matrículas. Totalmente burocrática e arbitrária.

AND – Como se posicionaram as outras entidades estudantis, como o Diretório Acadêmico, o Diretório Central dos Estudantes etc.?

Carolina – Não apoiaram os estudantes. Ficaram escondidos porque não queriam se “queimar” com a reitoria. Isso, quando não passavam nas salas para convencer os alunos a pagarem a taxa de matrícula. Eles têm um conchavo com a reitoria. Fizemos uma manifestação com a entrega do abaixo-assinado em favor das alunas e não tivemos o apoio de nenhuma dessas entidades.

AND – E os demais alunos da faculdade, o que acharam?

Carolina – Ficaram todos indignados. Apesar de muitos terem pago a taxa, não significa que concordem com isso. Alguns foram pressionados a pagar. Os estudantes nos apoiaram aderindo o abaixo-assinado que entregamos à Pró-reitoria de Graduação e participaram da manifestação.

AND – Um dos argumentos usados pela reitoria e pelos membros do Diretório Acadêmico é que vocês são contra a assistência estudantil. Isso é verdade?

Carolina – De jeito nenhum. A assistência estudantil tem que ser ampliada, mas tem que vir dos cofres públicos. O governo diz que não tem dinheiro para a educação, mas toda hora dá dinheiro aos banqueiros “carentes”, aos latifundiários “carentes” e, recentemente, às empresas de aviação “carentes”. Esta história de que somos contra a assistência estudantil é ridícula, mas nós acreditamos que ela não é responsabilidade dos próprios estudantes.

AND – Como se dá o processo de privatização da universidade?

Flávia – O ensino público é garantido por lei. Na impossibilidade de privatizar escolas e universidades de uma só vez, o governo impõe cortes cada vez maiores nas verbas para a educação, fazendo com que as instituições de ensino busquem recursos de vários meios. Um deles é ir aos bolsos dos alunos e fazer com que paguemos as taxas (matrícula, multa da biblioteca, inscrição para o vestibular). Outra forma é deixar que empresas, na maioria multinacionais, invistam em pesquisas nas universidades, o que permite que elas usem os resultados dessas pesquisas, ou seja, a universidade pública produz para o capital privado e externo. Está tramitando no Congresso um projeto que dará, entre outras coisas, “autonomia” financeira às universidades, ou seja, essas terão que buscar os recursos de que necessitam na chamada iniciativa privada, o que desobrigaria o governo de investir na universidade.

Essas são apenas algumas das ações promovidas pelo governo, com o apoio dos reitores, diretores e toda a burocracia na universidade para acabar com ensino público.

AND – Quais serão as próximas atividades do movimento quanto a essa situação?

Flávia – Estamos preparando uma grande campanha nacional nas universidades e escolas contra a atitude da reitoria da Universidade Federal de Minas Gerais, exigindo a validação das matrículas das alunas da Faculdade de Educação desta universidade.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin