Eleições no Nepal dão vitória aos Maoístas


As eleições realizadas no último dia 10 de abril, para escolher os representantes que irão compor a Assembléia Nacional Constituinte do Nepal, deram folgada maioria ao PCN-M (Partido Comunista do Nepal — Maoísta). Foi eleito inclusive o presidente do partido, Pushpa Kamal Dahal, o Presidente Prachanda. Das 210 cadeiras apuradas até o dia 17 de abril, os maoístas ficaram com 119, seguidos pelo Congresso Nepalês (dochefe do governo interino Koirala), com 34 e o revisionista Partido Comunista do Nepal — Marxista-leninista, com 31.  O sistema eleitoral é complexo; das mais de 600 cadeiras, apenas 240 constituintes serão eleitos pelo voto majoritário, 335 pelo sistema proporcional e as 26 restantes serão nomeados pelo governo.

Em 2006 o PCN-M estabeleceu um acordo com os 7 partidos parlamentares com vistas à suspensão da luta armada, à composição de um governo de coalizão e à convocação da Assembléia Nacional constituinte, com a finalidade de derrubar a monarquia, destruir o Estado reacionário e estabelecer a república democrática.

Neste período a eleição para a constituinte foi sendo protelada e isto propiciou a saída do PCN-M do governo, com a ameaça de retomar a luta armada. Por fim, um novo acordo trouxe de volta os maoístas ao governo e a garantia de convocação das eleições. Apesar de todas as manobras da monarquia o apoio ou vacilações dos partidos legais, da sabotagem dos revisionistas do UML e das maquinações do imperialismo ianque coordenadas pela embaixada em Katmandu e do expansionismo indiano.

Esta vitória eleitoral dos maoístas é a demonstração cabal de que a imensa maioria do povo do Nepal quer transformações radicais da sociedade e acredita que o só o PCN-M tem o programa e compromisso para isto. A vitória também mostra que a sede de justiça do povo nepalês, que suporta um regime autocrático feudal, submetia a maioria da população, as minorias nacionais e as mulheres principalmente, às piores condições de exploração e existência. O que ficou evidente com a adesão recente e relativamente rápida das massas à guerra popular dirigida pelo PCN-M, que em dez anos — 1996 a 2006 — chegou a dominar 80% do país. Ademais, a confiança das massas nos maoístas se explica também pela aplicação do programa de Nova Democracia nas áreas controladas pelo Partido nos anos de guerra.

Por outro lado é grande a expectativa popular com relação ao caráter de classe da Assembléia Constituinte, se dela surgirá um Estado de Nova Democracia ou se permanecerão as estruturas do velho Estado feudal.
Logicamente as massas cobrarão da nova constituinte que dê encaminhamento aos principais pleitos formulados na guerra popular, como a completa destruição do latifúndio e o confisco dos capitais nas mãos do imperialismo e da grande burguesia burocrático-compradora, assim como o desmantelamento do Velho Estado, o reconhecimento dos direitos das minorias nacionais, etc.

É chegada a hora de verificar se o compromisso do Partido Comunista do Nepal-maoísta é realmente com os operários, camponeses e demais classes revolucionárias do país ou com os setores conservadores com os quais o partido celebrou o acordo que pôs fim à guerra popular.

Como não poderia deixar de ser, o monopólio dos meios de comunicação cumpriu seu papel, caluniando e difamando os maoístas. Seus  "analistas" e suas "pesquisas de opinião" compradas pelo imperialismo colocavam o PCN-M em terceiro lugar, atribuindo baixo apoio popular, e agora têm que lidar com a vitória, até o momento, esmagadora dos maoístas.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin