Centenas de camponeses condenam terror no campo

http://www.anovademocracia.com.br/43/11b.jpg

Câmara de vereadores de Redenção lotada pelos camponeses
que novamente denunciaram operação "Paz no Campo"

Redenção, Pará - No dia 15 de maio último foi realizada a segunda Audiência Pública da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Pará (Alepa) sobre a chamada "Operação Paz no Campo" ordenada pela governadora Ana Júlia Carepa do PT, no dia 19 de novembro passado, que atacou, prendeu e torturou barbaramente os camponeses pobres que tomaram a fazenda Forkilha. [veja mais em AND 40, fevereiro de 2008: Audiência pública desmascara "Operação Paz no Campo"].

Esta segunda audiência aconteceu na Câmara de Vereadores de Redenção e contou com a presença de cerca de 450 camponeses das regiões de Santa Maria das Barreiras, Conceição do Araguaia, Redenção, Cumaru do Norte entre outros municípios do sul do Pará, que lotaram o salão principal e os corredores da Câmara de Veradores, onde fixaram suas faixas pedindo justiça e terra, e onde levantaram a bandeira da Liga de Camponeses Pobres.

Compuseram a mesa, o vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alepa, deputado Arnaldo Jordy (PPS/PA) — autor dos pedidos das audiências para apurar as denúncias de tortura contra os camponeses —, a deputada Tetê Santos (PSDB/PA) —  também membro da CDH —, o vice-prefeito de Conceição do Araguaia; a representante da Secretaria de Justiça do Estado do Pará, Antônia Rego das Neves; o advogado  da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SPDDH), Rivelino Zapellon; o defensor público que acompanhou todos os depoimentos dos camponeses agredidos e torturados , o representante do Sinsep/PA, Geneval Rodrigues do Nascimento; o representante do Sindicato dos professores estaduais, José Rodrigues; a presidente do Cebraspo, Raquel Scarlatelli; o representante do senador José Nery (Psol/PA), Ribamar Ribeiro Júnior e o representante do Núcleo de Advogados do Povo — NAP, Felipe Nicolau.

Em nome dos camponeses presentes, falou o coordenador da Liga dos Camponeses Pobres, Luiz Lopes. Estiveram presentes também à audiência, os representantes da polícia militar e da polícia civil do PA.

Os camponeses subiram à tribuna da casa para reiterar todas as denúncias de torturas praticadas pela polícia que eles já haviam feito anteriormente. Eles falaram das perseguições e das ameaças contínuas de pistoleiros e policiais sem se intimidarem com a presença dos representantes das polícias militar e civil e do latifúndio que ocupavam várias dependências da câmara.

Muitos camponeses, mesmo afirmando ter a consciência de que poderiam sofrer represálias por estarem ali, denunciaram os policias torturadores, citaram apelidos e características particulares dos agressores, criticaram a omissão das autoridades do estado e a conivência da própria polícia. Em muitos momentos da audiência eles gritavam: "A Forkilha é nossa!".

A presidente do Cebraspo manifestou sua irrestrita solidariedade aos camponeses pobres em luta pela terra e repudiou as prisões arbitrárias, às perseguições e torturas praticadas contra aqueles que ocuparam a fazenda Forkilha, denunciando a repressão crescente do Estado contra o movimento camponês em toda a região diante dos interesses dos latifundiários e do capital financeiro em manter o monopólio da terra e a exploração das riquezas imensuráveis da Amazônia.

Ao apresentar o resultado do inquérito policial, o representante da PM causou grande indignação e revolta no plenário e na mesa. A conclusão deste inquérito é de que, pasmem, não aconteceu nada na Forkilha, nada do que os camponeses denunciaram ocorreu porque nada foi comprovado que comprometa a ação da polícia. Disse que o policial identificado como "Caveira" não foi encontrado apesar de todas as diligências da polícia. Apesar de todos os reiterados e contundentes depoimentos, disse ele, "não existem provas contra a polícia".

O defensor público comunicou que havia um problema com o inquérito porque nos exames de corpo-de-delito feitos, havia apenas a assinatura de um, quando a lei exige a assinatura de dois médicos legistas. O representante do NAP por sua vez acusou  a cumplicidade da polícia por aceitar o laudo de apenas um legista que, mais grave ainda, é irmão do latifundiário grileiro Jairo Andrade.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin