Opiniões - 46

Belo Horizonte

Professores contra governos e oportunismo

Nós, trabalhadores em educação da rede estadual de Minas Gerais, decidimos deflagrar uma Greve por tempo indeterminado a partir do dia 28 de agosto. A Greve é a resposta a anos de cortes de direitos e intransigência do governo estadual, que submete a categoria a um crescente arrocho salarial e impõe uma política sistemática de sucateamento do ensino.

Denunciamos a este jornal popular e democrático a demagogia do "piso salarial nacional" de R$ 950,00, aprovado velhacamente pela gerência Luiz Inácio, sem previsão de aplicação imediata. Este piso não corresponde aos anseios dos trabalhadores em educação.

Ademais, manifestamos nossa revolta com o insultante decreto do governo estadual de Aécio-PSDB que estabelece a "premiação por produtividade". Querem impor um modelo de "professor padrão" para que a categoria se divida e pague pela ausência de investimentos para a educação. Querem colocar a nossa força de trabalho, o nosso esforço acadêmico e nossa dedicação ao aprendizado como mera mercadoria.

Lutamos pelo desenvolvimento e fortalecimento de um campo de luta entre os professores de Minas Gerais, que desmascare e combata firmemente os oportunistas na direção majoritária do Sind-UTE, que manobra com a nossa luta e as políticas reacionárias das gerencias estadual e federal.

Comissão de luta dos trabalhadores em educação em Greve
MEP — Movimento pela Educação Popular



UFMG quer acabar com assistência estudantil

Após a decisão do Supremo Tribunal Federal — STF que determinou a inconstitucionalidade da cobrança de taxas nas universidades públicas, a reitoria da UFMG — Universidade Federal de Minas Gerais—, através de nota publicada em seu site oficial ameaçou "rever sua política de assistência estudantil" (leia-se, acabar com a assistência). Na nota, a reitoria também afirma que "A UFMG nunca cobrou qualquer taxa de matrícula, e sim uma contribuição ao fundo de bolsas, destinada, única e exclusivamente, à assistência estudantil." e que "a FUMP apóia, com os seus muitos programas, a mais de 5mil estudantes, o que, atualmente, significa um percentual de 20 % dos nossos alunos de graduação."

Em primeiro lugar, a assistência estudantil de que fala a reitoria é uma fraude, porque os estudantes que não pagavam a "contribuição" semestral não podiam se matricular. Além disso, os bolsistas, após se formarem, são obrigados a pagar à FUMP cada tostão recebido, sob pena de ter seu nome incluído no SPC (o que já ocorreu com diversos ex-alunos). Ou seja, são os estudantes que financiam a "assistência estudantil".

E segundo lugar, cinco mil estudantes "beneficiados" num universo de 25 mil é um numero muito baixo. Além do mais a assistência estudantil na UFMG é inexpressiva: nosso bandejão é um dos mais caros do país, a moradia estudantil possui apenas 614 vagas (também pagas pelos estudantes), o transporte universitário é péssimo, além de inúmeros problemas.

Por que a reitoria não revela um dado verdadeiro? Como, por exemplo, o fato de o governo Luiz Inácio ter pago 247 bilhões de reais para o pagamento de dívida com o FMI e não garantir os 18% do orçamento da União para a educação, como prevê a própria Constituição.

Ao invés disso, a Reitoria da UFMG faz coro com o governo, aplicando à risca todas as suas orientações, impondo de forma autoritária e anti-democrática em seus conselhos as medidas de destruição e privatização da Universidade Pública contidas na "reforma" Universitária (como o REUNI). Esta é justamente a linha do Banco Mundial e do governo oportunista de Luiz Inácio: privatizar as universidades públicas através das fundações privadas.

Comando de Lutas pela Assistência Estudantil da UFMG

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin