Notícias da guerra popular

Revolucionários do Peru e da Índia seguem golpeando Estado reacionário

http://www.anovademocracia.com.br/55/19a.jpg
Combatentes do EGLP na Índia

Índia

18 de junho

Combatentes do Exército Guerrilheiro Popular de Libertação - EGPL, dirigido pelo Partido Comunista da Índia (maoísta) mataram nove policiais durante um ataque com minas terrestres no leste da Índia. A ação foi voltada contra centenas de policiais que se deslocavam para combater a guerrilha em Patna, no estado de Orissa.

Enquanto o velho Estado indiano enviava as tropas de policiais, o EGPL libertou mais de doze vilas, justiçou latifundiários e inimigos do povo, queimou delegacias policiais e escritórios do governo.

Os reforços policiais enviados contra o EGPL não conseguiram chegar às áreas libertadas porque os moradores das vilas se confraternizaram com os guerrilheiros bloqueando as estradas e vias de acesso.

19 de junho

Incapazes de deter as ações guerrilheiras do EGPL, as forças de segurança indianas iniciaram uma campanha de repressão na região bengali de Lalgarh onde a Guerra Popular dirigida pelo PCI (maoísta) possui grande apoio entre os camponeses.

21 de junho

Pelo menos 11 policiais indianos foram mortos em um ataque com minas terrestres em Chhattisgarh (Bengala Ocidental). Os guerrilheiros atacaram um caminhão que transportava policiais e trocaram tiros com os soldados.

A região onde se desenrolou a ação do EGPL pertence ao Corredor Vermelho, uma área onde o PCI (maoísta) e o Exército Guerrilheiro possuem grande influência e apoio entre as massas de camponeses, operários, estudantes e democratas. O Corredor Vermelho corta todo o país desde a fronteira com o Nepal até o Estado de Bengala Ocidental.

21 de junho

Um comboio que transportava 11 policiais foi alvo de uma explosão provocada pelo EGPL em Tongapal, a cerca de 500 quilômetros ao sul da capital do estado de Raipur.

Uma semana antes, em Bengala Ocidental, forças de segurança indianas já haviam enfrentado manifestantes da região de Lalgarh, sob forte influência do PCI (maoísta).

Centenas de policiais atacaram uma multidão de 3 mil pessoas em Pirakata.

A gerência de turno do velho Estado em Raipur enviou mais de mil paramilitares para retomar a área depois que a polícia se retirou.

12 de julho

Agências Internacionais noticiaram um forte combate entre o EGPL e unidades paramilitares no estado de Chhattisgarh.

Os guerrilheiros interceptaram um comboio das forças reacionárias com explosivos e fecharam uma estrada na região de selva do distrito de Rajnandgaon.

As forças guerrilheiras provocaram mais de 30 baixas entre os policiais, entre os mortos estava um conhecido torturador. Os combatentes do EGPL se retiraram sem baixas.

Pelo menos 26 policiais foram atacados e mortos por combatentes do EGPL no estado de Chhattisgarh. Vários repressores ficaram feridos durante os combates, que segundo notícias de agências internacionais contaram com mais de 300 guerrilheiros.

Peru

13 de junho

O ministro da Defesa peruano, Antero Flores Aráoz, foi obrigado a confirmar que um militar peruano foi ferido durante os confrontos com o Exército Guerrilheiro Popular, dirigido pelo Partido Comunista do Peru – PCP, na região do vale dos Rios Apurímac e Ene - VRAE.

Apesar do representante do Estado reacionário peruano ter considerado a operação militar no VRAE um "sucesso", e de terem destruído duas bases guerrilheiras, é inegável o avanço da Guerra Popular, que desde a gerência genocida de Fujimori diziam ter aniquilado.

A operação militar contra-insurgente contou com a participação de 200 efetivos do Exército, da Marinha e da Força Aérea do país.

Um verdadeiro aparato de guerra para enfrentar o antes "derrotado" PCP.

3 de julho

Fontes da própria imprensa reacionária peruana informaram o ataque de uma coluna do Exército Guerrilheiro Popular à base militar de Sanabamba no departamento de Ayahuanco.

Segundo as informações divulgadas, a base foi alvo de disparos durante mais de uma hora.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin