USA tem orçamento recorde para prolongar agressões

No último dia 28 de outubro, Barack Obama sancionou nada menos do que o maior orçamento militar da história mundial. São US$ 680 bilhões reservados pela sua administração para financiar agressões e ocupações criminosas ao redor do mundo. Isso representa mais de 40% do total de gastos com "defesa" em todo o planeta, e 55% do orçamento total do USA.

A maior parte da verba tem como destino prolongar a agonia dos invasores no Iraque e no Afeganistão, onde o imperialismo em crise vem sendo humilhado pelas guerras de libertação nacional movidas pela resistências destes dois alvos do multibilionário Pentágono.

Alguns políticos alinhados no partido de Obama, o Democrata, já falam até em criar um "imposto da guerra" para que os estadunidenses ajudem a financiar as empreitadas coloniais do complexo militar-industrial ianque. A proposta que circula no Congresso do USA prevê que os trabalhadores "contribuam" com 1% sobre o imposto de renda, e que os as classes dominantes, as reais interessadas em se apossar de países, mercados e fontes de matéria-prima alheias, façam sua parte pagando uma alíquota de 5%.

Mas, na verdade, alguns levantamentos dão conta de que o orçamento oficial do Pentágono representa apenas cerca da metade dos gastos militares de fato do USA, sendo que todas as estimativas — feitas por grupos pacifistas ou de controle dos gastos públicos — dão conta de que o real orçamento ianque de guerra para 2009 ultrapassou o valor de US$ 1 trilhão.

Há muitos dados que não entram na conta oficial. Os U$$ 48 bilhões que o USA paga anualmente aos seus reservistas são um exemplo. Esse dinheiro fica diluído nos gastos do Departamento do Tesouro. As dezenas de bilhões que financiam o armamento de governos lacaios na Ásia, no Oriente Médio e na América Latina ficam ocultos do Departamento de Estado. Além disso, há os juros das dívidas assumidas em nome dos esforços semicoloniais, dinheiro pago aos bancos como a parte dos espólios de guerra que cabe ao capital financeiro.

'Ajuda humanitária', a filantropia imperialista

Isso tudo sem contar que não se sabe exatamente de onde vêm as destinações orçamentárias que financiam, por exemplo, empreendimentos secretos do imperialismo, como a recém-descoberta prisão clandestina que o USA manteve na Lituânia em um haras localizado a apenas 20 quilômetros da capital do país, Vilnius. A revelação foi feita pela emissora ianque ABC News no dia 19 de novembro. O local foi comprado em março de 2004 por uma empresa já extinta que pertencia à CIA, e passou a funcionar em setembro do mesmo ano como centro de tortura de "suspeitos de terrorismo".

As autoridades locais, lacaias, recusaram-se a comentar as atividades clandestinas dos ianques sob sua jurisdição. Sabe-se apenas que o acerto entre a CIA e a gerência da Lituânia envolveu a promessa de empenho por parte da Casa Branca para viabilizar o ingresso do país báltico na Otan, o que de fato aconteceu no mesmo mês e ano em que ocorreu a compra das futuras instalações da prisão secreta.

O complemento óbvio à dinheirama em verbas vinculadas aos massacres e rapinas do imperialismo são os apelos demagógicos por mais e mais doações para gerir as "crises humanitárias", nome com o qual as potências da "comunidade internacional" rebatizaram as tragédias de guerras e miséria semeadas por elas próprias nas semicolônias da África, Ásia e América Latina.

Para 2010, por exemplo, mesmo ano em que o Pentágono terá orçamento recorde para financiar as guerras pela partilha neocolonial do mundo, a ONU reivindica US$ 7,1 bilhões para ajudar países como Sudão, Congo, Quênia e Somália a "saírem da crise" em que se encontram hoje em função da sanha colonial de outrora, que lhes deixou como herança a violência, a fome e o desespero.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin