Demagogos do velho e do novo tipo se engalfinham na Argentina

Uma velha demanda do imperialismo junto às semicolônias da América Latina voltou à tona com toda força, desta feita na Argentina. Trata-se da exigência de que tenhamos, em nosso continente, banco centrais ditos "independentes", o que na prática significa que estejam diretamente subordinados às ordens dos monopólios e do capital financeiro transnacional, sem a necessidade de intermediação de gerências políticas potencialmente problemáticas para os especuladores e para as transnacionais.

Em países como o Brasil, o grito pela independência jurídica do Banco Central já foi mais estridente, dado que a subordinação de fato da instituição aos interesses da rapina imperialista acabou sendo um compromisso assumido pela gerência petista para se viabilizar enquanto alternativa não ao, mas para o imperialismo. Tanto que Henrique Meireles está empoleirado lá, estável que só, desde janeiro de 2003, quando Luiz Inácio assumiu a gerência da semicolônia Brasil.

Na Argentina acontece exatamente o contrário. Lá, o Banco Central é "independente" desde 1994, por obra e graça do ex-gerente Carlos Menem, mas no último mês de janeiro a atual "presidente" do país, Cristina Kirchner, invocou-se com a recusa do gerente Martin Redrado, mandatário da vez do BC argentino, em liberar recursos extras para que a Casa Rosada pudesse pagar encargos do endividamento público, iniciando uma verdadeira ofensiva governamental para removê-lo do cargo, com o séquito dos Kirchners se empenhando em forçar uma demissão que não poderia acontecer pela via de uma simples canetada do poder executivo — o que Cristina Kirchner até tentou, mas foi impedida por uma decisão judicial.

Neste imbróglio, a verdadeira cara dos envolvidos na queda de braço veio logo à tona. Redrado denunciou uma operação cambial infame realizada por Nestor Kirchner às vésperas de uma desvalorização do peso frente ao dólar, quando comprou US$ 2 milhões se valendo de informações privilegiadas (quando denunciado, disse que a grana era para comprar um hotel na Patagônia). E a imprensa chapa branca fez circular que a juíza que prontamente garantiu Redrado na chefia do Banco Central, Maria José Sarmiento, é filha do tenente-coronel Luis Sarmiento, antigo delegado da agência estatal de sabotagem Side (Secretaria de Inteligência de Estado), velho contra-revolucionário formado na famigerada Escola das Américas, centro de treinamento de assassinos mantido pelo USA na América Central.

O fato de pipocarem denúncias como estas, entretanto, não significa que haja ali alguém que esteja do lado do povo da Argentina. A peleja em torno do controle do Banco Central do país é uma briga entre os oportunistas da velha estirpe, demagogos falsamente identificados com a esquerda autêntica que cacarejam em nome do povo enquanto prestam serviços muito bem remunerados aos inimigos das classes populares, e a direita repaginada, personificada em figuras como o próprio Redrado, ou seja, jovens financistas que vivem a arrotar decisões "técnicas", fazendo-o também em nome do povo, como o próprio ao negar a liberação dos fundos requisitados por Cristina Kirchner. Formado nas fileiras da direita peronista, Redrado certamente iria alardear toda a sua técnica para dizer que o melhor seria liberar o dinheiro caso o grupo solicitante instalado na Casa Rosada não fosse seu adversário na disputa eleitoral que se aproxima, disputa pelo direito de gerenciar a Argentina para os monopólios.

Por fim, no início de fevereiro, Redrado renunciou à chefia do Banco Central da Argentina. Mas não houve vitoriosos. O desfecho do caso não evidencia outra coisa senão o nível avançado de deterioração em que se encontram a estruturas do Estado semicolonial. Essa história deixou à mostra uma verdade inconveniente para o imperialismo e seus lacaios: nem mesmo a "moderna" autonomia jurídica do Banco Central — ou outra panacéia qualquer inventada para azeitar velhas e enferrujadas engrenagens — é salvação para os Estados burocráticos latino-americanos, carcomidos e em desmoronamento.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin