O povo brasileiro não "gosta" de livros?

As "autoridades", as televisões, rádios e o resto do monopólio da imprensa não cansam de propagar que "o brasileiro não gosta de ler", insinuando com isso que boa parte dos desastrosos resultados do ensino público no país e a fraca formação educacional das massas é culpa delas mesmas.

Porque, dizem os tais críticos burgueses, as massas desprezam a leitura. E preferem assistir televisão, ouvir música, ir aos estádios de futebol, etc, etc, etc.

Não há inverdade maior e cinismo maior que essa absurda acusação.

O problema da pouca leitura no Brasil, sim existe e é grave. Cerca de 77 milhões de brasileiros, o que corresponde a 45% da população do país, não têm o costume de ler, conforme pesquisa encomendada pelo Instituto Pró-Livro.

Mas tal quadro é consequência e não causa. Os críticos burgueses invertem a coisa de propósito, com a intenção de esconder que o causador desse suposto "desprezo aos livros", por parte do povo é o capitalismo burocrático apodrecido e decadente, que há séculos submete o país à espoliação, à pilhagem e às trevas da ignorância.

Dizem Renilson Menegassi e Maria de Lima Morais, da Universidade de Maringá (PR), no artigo Leitura crítica: aspectos da formação e do desenvolvimento do leitor:

"Como vivemos num sistema capitalista, que depende da ignorância da população para sobreviver, mecanismos de esquecimento e mascaramento da realidade são requintadamente planejados para que a população não perceba a relevância dos fatos, levando à construção de um esquecimento coletivo.
(...) Um exemplo desses mecanismos é a leitura, que ao longo de muitos anos tem sido colocada em planos inferiores".

Vale salientar que os 55% que a pesquisa supõe terem hábito de leitura, se é que se pode chamar de hábito o fato de a pessoa ter lido um livro nos últimos três meses, estão submetidos ao mercado editorial que impõe a ignorância através da publicação de variações sobre o mesmo tema, onde a auto-ajuda, ao lado dos títulos religiosos, lideram as impressões de livros não didáticos.

Este mesmo mercado editorial, verdadeiro oligopólio principalmente no setor didático, impõe a renovação anual dos livros didáticos sempre com preços reajustados e tornados inacessíveis à maioria do povo.

Também devemos atribuir ao famigerado mercado o subsídio dado pelo Estado às revistas destinadas ao achatamento cultural das massas. Revistas pornográficas, incluídas as relativas a novelas, e à famosa cultura inútil, aí incluídos o futebol, automobilismo, "paradas de sucesso", "famosos", culinárias, etc.

Assim, podemos afirmar que dos que tem hábito de leitura, não por culpa sua, a maioria só tem acesso ao lixo cultural e mesmo os que tem acesso a material técnico-científico, por deficiência do ensino decadente imposto ao povo, não conseguem entender o que leram e, consequentemente, não conseguem aplicar os conhecimentos contidos nos livros.

Um crime cultural

A História do Brasil mostra claramente o crime cultural que o sistema cometeu (e segue cometendo) contra as massas.

A máquina de tipografia só chegou ao país com três séculos de atraso, pois antes a corte real portuguesa proibia que se publicasse livros aqui, principalmente para evitar que os colonos não-nobres e escravos se instruíssem e aumentassem suas rebeliões. Com apenas duas máquinas (uma no Rio e outra na Bahia), mesmo assim a impressão de livros ainda era censurada.

E mais: até 1930 não houve bibliotecas públicas no Brasil (pelo menos que merecessem tal nome) e portanto inexistia acesso a livros para o povo. Antes disso, sua quantidade era mínima, concentrada em pouquíssimas cidades e quase todas destinadas aos filhos das classes dominantes. Também o ensino público, como estrutura montada pelo governo e aberta aos pobres, só foi iniciado a partir de 1930.

Ou seja, a enorme maioria da população brasileira só começou a conhecer livro e leitura há irrisórios 80 anos. Enquanto em outros países tal prática ocorria há séculos.

Se considerar-se que durante a gerência dos militares houve uma campanha de desestímulo à leitura, com repressão e censura, conclui-se que na verdade o contato mais próximo de nossas massas com os livros tem apenas 59 anos!!!

A luta em favor do hábito da leitura e do acesso ao (bom) livro é mais uma que operários, camponeses e seus aliados deverão travar no caminho da destruição do imperialismo e no rumo à uma nova democracia.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin