Teatro e cinema dos narradores

Misturando Brecht, Machado de Assis, Glauber Rocha e Pasolini, o Teatro de Narradores pratica um teatro itinerante, que explora ações ao vivo e vídeos para narrar trajetórias de povo. Sempre envolvidos com movimentos populares organizados, desde o seu surgimento, no campus da USP, encontram entre o povo o ambiente para desenvolver oficinas e realizar pesquisas que contribuam para um estudo bem elaborado de um teatro épico, questionador.


Cena da peça Cidade desmanche

— Surgimos como um grupo estudantil, dentro da faculdade de filosofia da USP, em 1997. Nossa preocupação era entender o que poderia ser um teatro universitário e sua relação com a formação humana na filosofia, sociologia e história. Nosso primeiro espetáculo foi A lata de lixo da história, uma adaptação feita pelo crítico literário Roberto Schwarz da obra de Machado de Assis, O alienista — conta José Fernando, diretor e dramaturgo do grupo.

Até 2001 o grupo esteve ligado a universidade. Depois buscou novos ares na cidade, observando a vida e o trabalho do povo.

— Em princípio nos estabelecemos em um espaço em Pinheiros, e começamos a travar contato com alguns grupos organizados, movimentos de moradia daqui de São Paulo e outros. As questões encontradas nesse meio passaram a ser temas importantes, no que diz respeito a relação do teatro com a cidade. Tudo isso foi definindo a linguagem do grupo — fala José Fernando.

— Em 2003 conseguimos, através da Lei de Fomento ao Teatro, uma residência artística no teatro Martins Pena, na zona leste, e por dois anos trabalhamos no local. Nesse período montamos A resistível ascensão de Arturo Ui, do Brecht. Mas em 2004, com a mudança de gestão da prefeitura, tivemos que sair do espaço. Passamos então a ocupar um prédio no Bom Retiro, que até então estava abandonado — conta.

— O Bom Retiro tem história de ocupação judaica, uma comunidade coreana e bolivianos em situação clandestina. Nos últimos anos sofreu um processo de degradação econômica radical, e atualmente tem muitos cortiços e zonas de prostituição no seu entorno. Contudo é alvo de disputa econômica por ser a base do projeto de revitalização do centro. Tudo isso nos convidou a pesquisas e conversas com vizinhos, recolhendo depoimentos e histórias de vida — acrescenta.

A tentativa de compreender o que acontece ali, e como poderiam se inserir naquele processo, resultou em um espetáculo Cidade desmanche. Contudo, antes de estrear o espetáculo tiveram que desocupar o prédio, por ordem da prefeitura, mudando-se para o bairro do Bexiga, atual sede.

Teatro e telas

— No Cidade desmanche partimos para a relação entre teatro e cinema, e sempre tivemos por referência forte o cinema do Glauber Rocha. É um espetáculo com uma estrutura narrativa que conta a trajetória de um ex-presidiário no dia em que ele sai na prisão, e de um coreano que habita no Bom Retiro — conta José Fernando, que também cursou cinema na FAAP e é doutor em filosofia pela USP.

— Depois resolvemos nos aprofundar ainda mais nessa questão do teatro/cinema e surgiu um diálogo muito forte com a obra de Pasolini, mantendo a ligação com o teatro político do Brecht. Assim chegamos ao texto Vílades, que é uma discussão que o Pasolini estabelece entre a tragédia e o histórico, com uma forte referência ao universo camponês — continua.


Cena da peça Nossa casa de boneca

Após uma adaptação do texto, feita coletivamente pelo grupo, estreou Vílades no Sesc Pinheiros.

— Na ligação de cinema e teatro o que nos interessa é tentar elaborar e mostrar para o público como se constrói uma imagem como discurso. O cinema aparece como uma referência para a construção de um discurso poético e também político através da imagem — fala José Fernando.

Cidade desmanche começa na rua. Utilizamos um bar que fica em frente a nossa sede. O público é recebido nesse bar, misturado com a cidade, com os moradores daqui. Em cima desse bar, bem em frente a nossa sede, tem um cortiço, e algumas das imagens são projetadas na sua faixada. Em um outro momento, um personagem é mostrado na forma de um filme e isso é projetado em um prédio de doze andares que fica em frente ao nosso terraço, onde está o público nesse momento — comenta.

— A imagem é utilizada como um documento ou um comentário, mas sempre fazendo com que a cidade atravesse o espetáculo. Quando viemos aqui para o Bexiga, optamos por fazer um espetáculo itinerante, que começa na rua, sobe até a nossa sede, atravessa a sala, vai até o terraço e termina com o público na sacada vendo uma ação acontecendo na rua novamente. Já o Vílade começa em um espaço aberto, mas depois o público é levado para uma sala — continua.

O próximo espetáculo do grupo, que deve estrear em breve, é uma dramaturgia própria, e narra a trajetória de uma família operária do final dos anos 70, que foi parar em um cortiço do centro de São Paulo.

— A história chega até o ano 2000. São três gerações, que deverão aparecer em três partes. A primeira acontecerá na rua, em casas e prédios do Bexiga, e o público vai acompanhando; a segunda terá o público na sacada da nossa sede, observando as ações que acontecem na rua, nos prédios e fachadas em frente; e a terceira acontecerá dentro da sede. O público poderá assistir uma parte em um dia e as outras depois, e também as três no mesmo dia — expõe.

Atualmente o Teatro de Narradores conta com cinco componentes fixos.

— Nossos espetáculos são a preços populares, sendo que os vizinhos têm descontos. Também fazemos gratuitamente, de acordo com nossas possibilidades — finaliza José Fernando.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin