O nordeste e o Brasil inteiro

http://anovademocracia.com.br/98/10-b-IbysMaceioh.jpg

Violonista, cantor e compositor, o alagoano Ibys Maceioh é dono de um repertório eclético repleto de xotes, sambas, choros, boleros, coco e tudo mais que conviveu por todo Brasil, sem perder a sua identidade nordestina. Amigo de Zé Ketti, chegou a morar uma temporada em sua casa no Rio e conviver com sambistas da velha guarda do samba carioca. Com quase quarenta anos de carreira e discos gravados, Ibys se apresenta pelo país e pensa novos projetos.  

– Nasci em Porto Calvo, um lugarejo no interior de Alagoas, em uma região onde se explorava a cana de açúcar, os engenhos. Ainda menino, comecei tocando violão nas serestas de lá. Depois fui para Maceió fazer o colegial, onde tive a oportunidade de estudar com o Luizinho 7 Cordas e o Zé Romero, e tocar em bailes e rádios de lá – lembra Ibys.

– Além do forró e da música do Luiz Gonzaga em especial, também tinha a influência daquela turma antiga do rádio: Nélson Gonçalves, Orlando Silva e outros. Depois vim para São Paulo morar com um irmão meu. Ele montou um bar e eu acertei de tomar conta do estabelecimento, em troca me pagaria os estudos de música – continua.

– Assim, ingressei na escola do Zimbo Trio, o Clam – Centro Livre de Aprendizagem Musical, e logo virei monitor. Enquanto isso, no bar do meu irmão ia conhecendo pessoas envolvidas com música e tendo contato com outros universos musicais: Nélson Cavaquinho, Zé Ketti, Elton Medeiros e Paulinho da Viola. Meu conhecimento foi enriquecendo – acrescenta.

Ibys diz que aprendeu mais sobre música nordestina depois que foi morar em São Paulo.

– Passei a estudar e conhecer melhor os compositores da minha terra. Foi aqui, por exemplo, que ouvi Dilermando Reis e João Pernambuco. E fui indo, tocando na noite paulistana do Bexiga, do Ibirapuera, e outros, conhecendo grandes compositores. Um deles, por exemplo, foi o sambista Zé Ketti, com quem morei por quase um ano – comenta.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro