Cresce trabalho informal e desemprego real atinge 27 milhões

número de brasileiros que trabalham para empresas sem carteira assinada e sem seus direitos trabalhistas cresceu 4,5% (498 mil pessoas) em novembro de 2018.  o desemprego real (chamada “subocupação”) soma ainda 27 milhões de desempregado. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Especialistas” do mercado comemoram o aumento no número de trabalhadores informais, pois isto seria o início do aquecimento do mercado e aumentaria a capacidade de consumo das famílias. No entanto, a pesquisa do IBGE atestou que a renda média do trabalhador brasileiro segue estagnada com relação ao mês de outubro, o que significa que o consumo segue no mesmo índice e o mercado não aquece.

Os trabalhadores informais empregados dentro de empresas chegam a somar 11,6 milhões de pessoas e, por serem privados dos seus direitos básicos trabalhistas, são submetidos a um nível ainda maior de superexploração, baixos salários e horas de trabalho exorbitantes, tudo para gerar lucro máximo para os monopólios. Dentro desse contexto, o consumo tende a não crescer significativamente.

Ao todo, são mais de 40 milhões o número de trabalhadores sem carteira assinada, englobando os que trabalham para empresas privadas, os que são “por conta própria”, camelôs e outros tipos. O número de trabalhadores subocupados, ou seja, que não trabalham mais que 40 horas semanais, também cresceu em 4,7%, chegando a 7 milhões. Enquanto isso, o desemprego real – que soma os desocupados, subocupados e desalentados –, no entanto, segue altíssimo: 27 milhões de brasileiros e brasileiras.

A situação dos trabalhadores, sob o novo governo, deve agravar-se, aproximando-se ainda mais da miséria e do trabalho mais embrutecedor. Segundo o novo gerente, Jair Bolsonaro, para a economia melhorar as condições de trabalho “devem se aproximar da informalidade”, o que implica menos direitos, salários menores, enquanto seguem indo milhões de reais para as grandes empresas, por meio de isenção fiscal, subsídios e todo tipo de benesses.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro