Sobre o fascista Roberto Alvim e o reacionário projeto corporativo nas artes

Roberto Alvim até que tentou. Tentou parecer imponente e heroico; se fez hilário, medíocre e foi exonerado do cargo. Enquadrado com uma bandeira do Brasil à sua direita, ao som de Wagner (um dos compositores preferidos de Hitler), uma cruz heráldica à sua esquerda e um retrato do fascista Jair Bolsonaro acima de sua cabeça, o ex-secretário de cultura deu uma de “Goebbels dos trópicos”, evocando o discurso do ministro da propaganda nazista em sua fala sobre o dito Prêmio Nacional das Artes. A fala do ex-secretário foi ao ar num fatídico 16 de janeiro, o mesmo 16 de janeiro em que Hitler se escondeu em seu bunker prevendo a derrota iminente frente à contraofensiva soviética na Segunda Grande Guerra. Ali Hitler permaneceu até o seu suicídio.    

A forma como foi anunciado revela por si só a intenção do Prêmio Nacional das Artes: fomentar na sociedade civil expressões artísticas de grupos e indivíduos fascistas. O prêmio disponibilizará R$ 20 milhões em recursos públicos nas cinco regiões brasileiras e as obras de arte passarão por uma curadoria (leia-se censura) que selecionará os artistas palatáveis ao gosto da reação. É preciso ser bem claro quanto a isso: este projeto para o setor artístico, que tomou a forma de Prêmio Nacional das Artes – revogado após a confusão, porém que certamente retornará, sob outro nome e formatação – é parte da ofensiva contrarrevolucionária preventiva em marcha, porque é a reacionarização e corporativização da sociedade no domínio cultural. O fascista Olavo de Carvalho, principal mentor da ala bolsonarista, tem como tese principal de que a guerra contra os revolucionários e democratas só pode ser vitoriosa se, antes de mais nada, os reacionários vencerem a chamada “guerra cultural” – ou, o que ele chama, “conquistar a hegemonia”, isto é, corporativização. Só que a demissão do secretário foi um pequeno revés no plano de gestar um ninho cultural reacionário.

Um fascista torpe

Roberto Alvim foi demitido porque é um fascista destemperado, pouco habilidoso e pouco criativo, e por isso foi tirado do centro do jogo político com rapidez, o que gera outro desgaste para a extrema-direita.

O dito cujo quis aplicar num pronunciamento oficial uma réplica deprimente de uma típica propaganda fascista dos anos 1930, encarnando excesso de dramaturgia, linguagem romântica e parafraseando um nazista. Não compreendeu que isso não cairia bem, não compreendeu que, mesmo os fascistas assumidos da extrema-direita incrustados nas instituições não devem citar discursos nazistas.

A reação precisa de quadros políticos que saibam aumentar a intensidade da repressão nas semicolônias passo a passo, sem gerar tumultos desnecessários. E assumir-se nazista em um pronunciamento oficial é péssimo até mesmo para a extrema-direita mais beligerante, dado o nível de desprezo que a intelectualidade e os povos do mundo inteiro sentem pela experiência hitlerista. O próprio fascista Bolsonaro se pronunciou cinicamente em seu Twitter repudiando “ideologias totalitárias e genocidas”, ao explicar a demissão de Alvim. Obviamente, o mesmo sabia muito bem o caráter do ex-secretário ao convidá-lo ao cargo, só não esperava por esse furo tão grande.   

O plano que fracassará

O projeto corporativo para o campo artístico, seja com o nome e formato que for, também fracassará, porque um governo ultrarreacionário que cria caos no seio do povo, pisoteia seus direitos mais básicos e move guerra diária contra ele é incapaz de forjar uma arte vinculada aos interesses nacionais, porque tais interesses são indissociáveis dos interesses populares.

Os interesses populares não são outros que senão dar uma resposta definitiva aos seus algozes, respondendo à altura todos os ataques que têm sofrido há centenas de anos por parte das classes dominantes. A arte fascista é reativa, ela não propõe nada novo, apenas busca resgatar de maneira mecânica princípios estéticos e morais feudais e combiná-los com a exploração da grande burguesia, do latifúndio e do imperialismo, em contraposição à arte revolucionária e, em certa medida, à arte liberal burguesa. Roberto Alvim falou sobre uma arte que esteja enraizada nos mitos fundantes do povo brasileiro, que seriam a Pátria, a família e a ligação com deus. Acontece que, na realidade, a pátria brasileira é uma semicolônia e até mesmo nossos fascistas copiam experiências estrangeiras; nossas famílias são pobres, têm seu núcleo abalado pelo trabalho excessivo, pelo desemprego e por uma série de outras mazelas; dado o espírito lacaio que têm, ainda que quisessem “criar uma cultura nacional” fundada na “ligação com deus”, os fascistas não seriam capazes, pois ignoram que as crenças populares são diversas e, inclusive, misturam-se com as de origens mais diversas e contraditórias.

Uma arte que não retrate o povo brasileiro em sua luta diária contra toda a miséria que lhe é imposta e que não retrate sua cor, seu suor, sua batalha e seus ritos, jamais será respeitada pelas profundas massas desse país. Por mais que tentassem tergiversar com tais elementos, e mesmo apresentar uma face “revolucionária” à sua arte defensora da velha ordem de exploração e opressão, corporativizando a sociedade, não poderiam triunfar por longo período. É por isso que o projeto corporativo em gestação é já um natimorto.

A arte brasileira da próxima década será “heroica” e será “nacional” com uma condição: que ela expresse o heroísmo do povo brasileiro na transformação da guerra civil reacionária que ele vem sofrendo em guerra civil revolucionária. Pra varrer este país de tipinhos como Roberto Alvim e inaugurar uma república que esteja à altura dos anseios econômicos, culturais e ideológicos do nosso povo, a República Popular do Brasil.

Roberto Alvim, fascista destemperado, pouco habilidoso e pouco criativo. Foto: Banco de Dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro