Liga Operária: Viva o 1º de maio classista e combativo!

A- A A+

Reproduzimos nota da Liga Operária sobre o 1° de maio.


Da esquerda para a direita: Albert Parsons, Louis Lingg, Adolf Fischer, George Engel, August Spies, Michael Schwab, Samuel Fielden e Oscar Neebe

Mais do que em qualquer outro momento de nossa história recente, é hora de saudarmos com ardor o dia de todos os trabalhadores do mundo. Viva o 1º de maio classista e combativo de 2020!. Saudamos a todo o proletariado internacional, as massas oprimidas de todo o mundo, pelo nosso glorioso dia. Saudamos os jovens e anciões, as mulheres e homens do campo e da cidade, indígenas, quilombolas, que resistem bravamente aos ataques e investidas dos imperialistas, principalmente ianque, através dos governos lacaios em cada país. Nós trabalhadores somos a reserva moral e saudável dessa velha sociedade que já mostra seus sinais de agonia! Nós somos os produtores de toda a riqueza e cabe a nós construir a Nova Sociedade.

O ano de 2020 ficará marcado na história como grande salto do desenvolvimento da situação revolucionaria em todo mundo. Momento em que o imperialismo expôs suas chagas e a profunda crise que enfrenta o leva a iniciativas terríveis para reduzir sua agonia. Por outro lado, as massas populares de todo o mundo desvelam o verdadeiro caráter de classe dos  Estados capitalistas, identificam claramente seus inimigos e se unificam, cada vez mais, nas consignas: “Proletários de todo mundo, uni-vos!” e “façamos nós com nossas próprias mãos tudo o que a nós nos diz respeito”. Em ondas os povos e nações do mundo inteiro se levantam de forma classista, combativa e organizada contra toda a exploração e opressão.

O mundo está sendo sacudido, os capitalistas, inimigos do povo, não podem mais seguir governando – oprimindo e explorando – como fizeram até hoje e por outro lado, os povos e nações oprimidos, às massas trabalhadoras da cidade e do campo, não aceitam viver como têm vivido. Miremos e saudemos ardorosamente a rebelião dos povos e massas populares que combatem, na linha de frente, a besta-fera imperialista, em todo o mundo.

Saudamos a todos os heróis do povo que verteram o seu generoso sangue na luta contra toda a exploração e opressão com efusiva reverência aos operários assassinados, nas jornadas do 1º de maio de 1886 em Chicago – USA, por lutarem por melhores condições de vida e trabalho, acendendo a chama da luta operária por uma nova sociedade, marco histórico desta data. Heroísmo que avermelhou ainda mais a gloriosa bandeira da luta dos trabalhadores e povos oprimidos de todo o mundo. Em todas as nossas lutas classistas, levamos altivamente o grande exemplo dos companheiros: Albert Parsons, Louis Lingg, Adolf Fischer, George Engel, August Spies, Michael Schwab, Samuel Fielden e Oscar Neebe, que sempre estão presentes na luta! Sigamos seus exemplos, organizemo-nos e tomemos em nossas mãos o nosso destino!

                               Viva o internacionalismo proletário!

A agonia imperialista expele suas mazelas

O mundo está entrando em uma nova época, marcada por grandes tempestades sociais e políticas provocadas pela crise do imperialismo que se aprofunda e não mostra sinais de possível recuperação. Em meios a isso a pandemia do Covid-19 é utilizada para justificar medidas de aumento da superexploração dos trabalhadores e o saqueio dos países oprimidos, tudo justificado e sustentado na comoção, alardeada pelo monopólio de imprensa de “combater o inimigo comum de todos” tentando imobilizar a rebelião das massas, desmobilizando-as enquanto prepara, legaliza e aumenta a repressão e criminalização da luta popular.

Propagandeiam que a chamada “crise do Covid-19” levará a ruína a economia mundial – falácia desavergonhada! A crise não é provocada pela pandemia e sim é agravada e exposta de forma clara por essa. Há tempos as potências imperialistas não têm logrado uma recuperação sustentável de suas crises e uma após outra incrementam a exploração dos trabalhadores e saqueio das nações para seguirem sobrevivendo. A pandemia rasgou por completo a máscara do capitalismo como defensor da liberdade, do direito de ir e vir, e que os países do chamado “primeiro mundo” eram o melhor dos mundos, expondo sua essência podre, burguesa e revelou sua cara monstruosa, inclemente e genocida.

Já no primeiro sinal da pandemia, os reacionários Donald Trump – USA e Benjamin Netanyahu – Israel, mostraram seus dentes e fizeram valer o ditado: “farinha pouca, meu pirão primeiro”. Netanyahu deu logo um golpe fechou o congresso e quebrou o sigilo dos telefones de todos, para monitorá-los e logo em seguida fechou a única clínica em Jerusalém que fazia o teste para detectar o SARS/Cov2 nos palestinos. Trump após várias bravatas, enrolou a língua e foi arrematar insumos de saúde na China e baixou decreto proibindo que fábricas norte-americanas exportassem materiais e equipamentos utilizados no combate a pandemia e cortou todo auxílio a OMS, com sua política colonialista.

A pandemia de hoje é resultado direto do capitalismo, principalmente em sua fase monopolista, imperialista, pela devastação do meio natural na busca do lucro a qualquer custo, as guerras de rapina e genocídios contra as nações oprimidas e seus povos pelo saqueio das riquezas naturais, como o petróleo, minério de ferro e demais matérias-primas, além de que desenvolvem e aplicam guerras biológicas na disputa pelo domínio do mundo. A pandemia ocorre em meio a profunda crise geral de decomposição que agrava e agudiza todas as contradições fundamentais, particularmente a principal delas, a que opõe nações e povos oprimidos ao imperialismo, levando amplas massas populares a rebelarem-se contra a exploração, opressão, subjugação nacional e guerras de agressões imperialistas.

Em todo o mundo novas ondas massivas de rebeliões e protestos se iniciam e serão potencializadas pelo agravamento da crise. As rebeliões populares que sacudiram o mundo em 2019, com protestos continuados e greve geral na França e levantamentos na América Latina são provas incontestes disso. As massas trabalhadoras de todos os países usarão todos os meios para defenderem seus direitos pisoteados, contra a exploração e pelo direito de manifestação e organização. Nessas batalhas forjaram suas vanguardas e desvelarão o caminho por uma nova sociedade.

No Brasil acirra-se a pugna pela hegemonia do golpe contrarrevolucionário

A situação no Brasil é muito grave, o país entra num momento de profundas rupturas!

Não bastasse a crise econômica de decomposição de seu atrasado capitalismo burocrático, semicolonial e semifeudal, serviçal do imperialismo ianque, que mantém milhões no desemprego e na miséria, a crise política derivada da decomposição desta economia anacrônica, que já se expressa como crise de dominação da grande burguesia e dos latifundiários, na decomposição do velho Estado e seu sistema político, particularmente da farsa eleitora como expressão primeira dessa falsa democracia, as massas populares de nosso país têm que enfrentar desamparadas a pandemia.

Diferente do que propagandeia o monopólio de impressa, com Rede Globo a frente, a pandemia não gera a crise no Brasil, como em todo o mundo, apenas expõe a grave situação que vive o povo brasileiro fruto de séculos de subjugação nacional, primeiro pelo colonialismo português, sustentado pelos senhores de terra e de escravos genocidas da população indígena e logo pelo semicolonialismo inglês e imperialismo, principalmente norte-americano, que desde o final da II guerra vem mantendo um sistema de exploração e opressão através deste carcomido velho Estado dos grandes burgueses e latifundiários.

São mais de cinco séculos de genocídio continuado da população indígena e por três séculos e meio massacrou a população negra escravizada e após o fim oficial da escravidão a privou de direitos elementares e fomentou o mais repugnante racismo até os dias atuais. Sucessão de regimes odiosos de defesa dos ricaços com repressão e miséria aos pobres. Os generais que hoje governam (ACFA), mandam e desmandam no país, chefes das forças armadas, ao contrário do que apregoa toda sua propaganda de salvadores da nação, são os responsáveis, como  guardiães deste sistema de exploração e injustiças, por todas as mazelas, iniquidades, sofrimento e padecimento de nosso povo e subjugação da nação, pois foram os que a ferro, fogo e sangue esmagaram todas as tentativas de nosso povo em levar adiante uma Revolução Democrática Popular, única forma de remover do Poder estas máfias de parasitas e sanguessugas do povo e da nação, que arrastaram o Brasil para a beira do abismo a que estamos.

No Brasil as massas camponesas somam mais de 60 milhões sem nenhuma ou com pouca terra e são perseguidos e assassinados em sua luta pelo sagrado direito de plantar e produzir, enquanto os latifundiários representam menos de 2% dos proprietários e açambarcam 50% das terras agricultáveis do país. Nas cidades já somos mais de 15 milhões de desempregados em dados oficiais, pois a realidade é outra, podemos ver pelos dados do que o governo chama de autônomos e sua merreca de auxílio que foi requisitado por mais de 60 milhões de trabalhadores. A indústria nacional é levada a ruína e a desindustrialização do país é crescente, dos 27,3% de participação no PIB  que alcançou na década de 1980 chega a 11,3 % em 2018. Para se ter uma ideia em 1960 era de 23,2%. (dados do IBGE) PIB esse que é constituído em mais de 40% com a extorsão dos trabalhadores com arrecadação de impostos – os mais altos do mundo – e são utilizados para o pagamento da dívida externa, auxílio a banqueiros (que lucraram mais de 81,5 bilhões – somente contando os grandes) e financiamento do agronegócio (que em sua maior parte produz commodities para exportação), enquanto deixam as massas populares desamparadas no estado de penúria e abandono, com os serviços públicos sucateados, o que fica escancarado com o criminoso massacre do povo com a pandemia.

A utilização da pandemia pelo governo de turno incrementar a aplicação das 3 tarefas permanentes ditadas pelo imperialismo ianque e que tomam a forma de golpe militar contrarrevolucionário preventivo, ao inevitável levantamento das massas, que passo a passo está em curso em nosso país. O aumento da exploração dos trabalhadores com a retirada de direitos básicos de emprego, justificando e legalizando jornadas intermináveis e condições de trabalho precárias como parte da tarefa de dar novo impulso ao capitalismo burocrático (primeira tarefa) com o aumento da exploração dos trabalhadores. O acirramento dos conflitos dentro do governo deixa patente a iminência da necessidade de nova restruturação do Estado com maior centralização do poder no executivo (segunda tarefa) para levar a diante as medidas exigidas pelo imperialismo. Os militares do ACFA reacionárias que isolaram o fascista Bolsonaro agora têm que se ver com a inescrupulosa e obstinada reação do fascista que esperneia e não se renderá sem causar estragos. Tudo isso enquanto prepara a maior repressão ao povo (terceira tarefa), que inevitavelmente se levantará contra os ataques aos seus direitos e por melhores condições de vida, trabalho e saúde. O governo reacionário dos generais justificarão no isolamento social e combate a pandemia o aumento da repressão, censura e prisões arbitrarias, o cerceamento do direito de ir e vir e a maior militarização na cidade e no campo.

O monopólio de imprensa, vanguardeado pela Rede Globo com sua  propaganda histérica da pandemia, insuflam terror e pânico para tentar desmobilizar a ação das massas, alardeando o isolamento social impositivo, culpabilizando as massas pela propagação da doença, na tentativa de desarmar sua vontade de combater, enquanto, como num passe de mágica, constroem um inimigo invisível, substituindo o problema principal que é a culpa e responsabilidade do Estado, pois esse é o verdadeiro inimigo e responsável dessa terrível condição que o nosso povo está sendo submetido, desamparado, amontoado nos postos de atendimento, morrendo aos montes sem vagas para internação e tratamento, a situação absurda dos trabalhadores da saúde pública, enquanto cinicamente, nada é dito dos leitos reservados aos burgueses nos hospitais particulares, além da descarada cumplicidade com o governo frente ao desespero das massas.

Mas que não se enganem os incautos. O novo ciclo da luta de classes em nosso país já começou e esse está marcado pelo levantamento crescente do protesto popular. Os novos embates da Revolução Democrática tão necessária e atrasada em nosso país estão por vir. Aos verdadeiros democratas, às forças classistas e combativas, que não creem na ilusão parlamentar, cabem criar novas formas, fortalecer a aliança operária e camponesa, somando com todas forças democráticas e revolucionárias do nosso país, forjar a vanguarda proletária de nosso país de lutas para alcançarmos uma Nova e Verdadeira Democracia em nosso país.

Defender os direitos do povo em meio à pandemia com Comitês Sanitários de Defesa Popular

Comitê Sanitário de Defesa Popular criado por camponeses da Área Revolucionária José Ricardo, no Agreste pernambucano

Velhos representantes desse putrefato Estado semifeudal e semicolonial, do executivo, legislativo e judiciário, além dos milicos, principalmente os generais, posam agora de “grandes humanistas”, porém são verdadeiros fascistas que odeiam os pobres. Dizem estar preocupados com a vida dos brasileiros cedendo a “ajuda emergencial” de R$600,00 e liberação de saque do Fundo de Garantia de um salário-mínimo a partir de junho, migalhas para esconder o corte dos direitos dos trabalhadores em benefício de megaempresários e banqueiros. Os canalhas dizem que todos tem que fazer sacrifícios mas eles estão protegidos em suas mansões e hospitais que mais parecem hotéis de luxo com todos os equipamentos e respiradores de que precisam. Às massas mais pobres de nosso país resta a certeza de que o velho Estado reacionário nada fará para amenizar seu sofrimento.

O velho Estado reacionário, hoje nas mãos dos generais, não é capaz proteger a população! É só lembrar que nosso povo sofre à míngua nas filas de hospitais abandonados à própria sorte, com as dengue, chicungunha, febre amarela e tantas outras epidemias que todo ano atinge nosso país. Não cumpre nem o mínimo que está previsto na Constituição do direito à saúde pública, com cortes de gastos e congelamentos nos orçamentos deste e outros setores básicos há décadas.

Para proteger o povo da pandemia e dos ataques do Estado aos seus direitos na situação de crise econômica, desemprego e precarização permanente e histórica dos serviços públicos de saúde agravada ainda mais nesse momento, debaixo do estado de sítio que criarão para reprimir as massas, devemos elevar ainda mais a nossa organização, criando os Comitês Sanitários de Defesa Popular em cada bairro ou favela, rua e beco, fábricas e escolas nas cidades e nas áreas de campo, exigindo tudo que nos é de direito: tratamento médico adequado, leitos de hospitais com respiradores para atender toda a população, materiais de proteção individual (máscaras e álcool em gel), condições para cumprir a quarentena, condições de sobrevivência e tudo mais que for necessário.

“Façamos nós com nossas mãos tudo o que a nós nos diz respeito”. Sabemos que somente a organização popular independente, com solidariedade ativa, pode de fato salvar o povo. Os Comitês Sanitários de Defesa Popular devem ser organizações em que as massas se apoiem em suas próprias forças, sem ilusões eleitoreiras e oportunistas de todo tipo. Assim fortaleceremos a luta classista e combativa em nosso país contra todos os inimigos do povo. Preparemo-nos para os momentos tormentosos que se avizinham.

Viva a organização popular classista e combativa!

Exigimos o atendimento de saúde público e gratuito a que temos direito!

Exigimos distribuição gratuita dos equipamentos e materiais protetivos (álcool gel e máscaras)!

Exigimos testes de COVID-19 para toda a população!

Boletim 1º maio 2020 Liga Operaria

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira