Chile: Mapuche se rebelam durante chegada do ministro do Interior em Araucanía; militarização recrudesce

A- A A+


Mapuche empurram barricadas colocadas pela polícia. Foto: Reprodução.

No dia 31 de julho na cidade de Temuco, em rebelião pela liberdade dos Presos Políticos Mapuche e contra o genocídio e roubo de terras do seu povo, cerca de 150  manifestantes mapuche tentaram invadir a Intendencia de La Araucanía, enquanto o novo ministro do Interior do Chile, Victor Pérez, estava no local. As Forças Especiais de Carabineros tentaram dispersar o protesto com caminhões lança-água e bombas de gás, três manifestantes foram presos.

O ministro, que se encontrava no local junto do subsecretário de pasta para realizar uma reunião com as “autoridades” regionais, afirmou, naquele mesmo dia, que “no Chile não existem presos políticos”. Os protestos aconteceram em torno do centro da cidade, a poucos metros da prefeitura. 

Veja o vídeo do protesto combativo aqui:

Militarização recrudesce em território Mapuche

Tudo isso se dá num momento de constantes mobilizações que vêm ocorrendo na região da Araucanía, devido à luta que o povo mapuche trava pela libertação de seus presos políticos, cuja condição de prisões políticas Pérez negou descaradamente em Temuco, o epicentro das manifestações.

De acordo com denúncias dos povos, o governo está aproveitando a crise econômica, sanitária e social para continuar fortalecendo as leis repressivas, como a militarização e o aumento dos contingentes militares nas regiões de Biobío a La Araucanía, nas áreas de Arauco e Malleco. 

Nessas áreas, de intenso conflito entre o povo Mapuche e latifundiários pelo seu direito à terra, estão presos diversos lutadores, como na prisão de Temuco, onde Machi Celestino Cordova se encontra encarcerado e em greve de fome por mais de 2 meses (exigindo prisão domiciliar durante a pandemia da Covid-19), após ter sido preso em 2013 sob a “lei antiterrorista” por alegadamente assassinar um casal de latifundiários. Também, foram dezenas os assassinatos de camponeses mapuche em tais regiões nos últimos anos, como os de Alex Lemún (2002), Johnny Cariqueo (2008), José Huenante (2005) e Camilo Catrillanca (2018), que foi covardemente assassinado por trás por um tiro na cabeça pelo sargento Carlos Alarcón, que até hoje está em total impunidade, dentre diversos outros assassinatos do povo Mapuche.

Diante disso, o ministro da Defesa Alberto Espina anunciou no final do mês de junho que a presença militar no país e especialmente nas regiões descritas acima seria aumentada. A decisão do governo é tomada sob o pretexto de combater as últimas ações pela liberdade dos presos políticos Mapuche, que deixaram vários caminhões queimados, bem como antenas de telefone celular derrubadas, entre outros. Espina indicou que há militarização e que "as Forças Armadas vão aumentar seu pessoal e seus meios militares para controlar e prevenir estes ataques".

Além disso, ambos os ministros, da Defesa e do Interior (antecessor do atual), viajaram durante a última semana de junho para as regiões sul do país e se reuniram com chefes militares e prefeitos de Biobio e Araucania. Por sua vez, organizações como a Multigremial, assim como associações de grandes empresários e madeireiras apoiaram o reforço militar na área. O reforço do contingente começou no domingo, 21 de junho.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza