RJ: Trabalhadores e estudantes fazem protesto contra o racismo em frente ao Carrefour de São Gonçalo


Manifestantes antifascistas e ativistas revolucionários protestam em frente ao Carrefour, em Niterói. Foto: Comitê de Apoio de Niterói/RJ

No dia 22 de novembro, próximo ao complexo da Coruja, em São Gonçalo, dezenas de pessoas compareceram à manifestação em frente ao supermercado Carrefour para expor sua revolta e indignação diante de mais um crime cometido contra o povo preto e pobre, como foi o caso do assassinato de João Alberto, espancado e assassinado numa unidade da empresa no Rio Grande do Sul.

Palavras de ordem como: Justiça já! Justiça já! Ser preto não é crime! Vocês vão nos pagar! Chega de chacina! Polícia Assassina! foram entoados ao longo de toda a manifestação que foi marcada pelo grande contingente de policiais militares (PMs) como os da Rondas Especiais e Controle de Multidão (Recom), e até mesmo um carro da Polícia Federal Rodoviária (PRF). Todos os elementos da repressão estavam ostensivamente armados como forma de intimidação à justa luta das massas, que denunciavam os crimes bárbaros que nunca deixaram de ser cometidos em nenhum governo de turno, seja ele de direita ou dito de “esquerda”. 

O brutal assassinato de João Alberto numa unidade da multinacional francesa no Rio Grande do Sul, longe de ser um caso isolado, expõe o racismo enraizado em nossa sociedade reacionária, provando que a canetada com a qual se deu a "abolição" da escravatura em nada alterou a situação de miséria e exploração do povo preto. 

Apesar da paupérrima condição que é submetida a população da região, os propagandistas do circo eleitoral, mais uma vez, aproveitaram a ocasião para reafirmar sua fiel e cabal obediência à ordem estabelecida. Transformaram a manifestação em um grande palanque eleitoral, e gastaram suas falas em agregados de palavras mortas que mascaram a sua derrota eleitoral. 

Porém os revolucionários presentes marcaram a posição da luta e exaltação as ações combativas das massas em meio ao cenário de crise, assim como a posição do boicote eleitoral como verdadeira posição dos revolucionários diante da situação política.

No Rio de Janeiro, apenas no primeiro turno, como noticiou o AND na matéria Os números do primeiro turno da atual farsa eleitoral e no editorial Eleições 2020: os estertores de um sistema político putrefatoo boicote sobrepassou 45%. As siglas do revisionismo e do oportunismo estão na época de seu velório eleitoral, e por isso, imploram pelas migalhas e pela vida dentro desse Estado com seus discursos identitários. 


Manifestantes vão até ao Carrefour para protestar contra a brutal execução de João Alberto. Foto: Comitê de Apoio de Niterói/RJ

O preparo de guerra e belicosidade não foi, portanto, surpresa para ninguém. A PM de São Gonçalo é conhecida pela sua prática de impor às massas populares sua ordem através da mais vil agressão e brutalidade com constantes esculachos e revistas. Mas também demonstra o medo do Estado de que se exploda um grande levantamento popular, com combativas manifestações das massas, feitas com fogo, pedras e paus contra todas os representantes do velho Estado brasileiro. Eles temem escandalosamente, o que ocorreu em Porto Alegre e São Paulo, à justa resposta das massas, de combater violência reacionária com a violência revolucionária. 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin