Camponeses resistem a provocações no entorno do Acampamento Manoel Ribeiro

Abaixo, reproduzimos matéria publicada pelo Jornal Resistência Camponesa sobre a resistência dos camponeses da Área Manoel Ribeiro e região, às blitzes realizadas por militares.

Camponeses rechaçaram com combatividade a criminosa “Operação Paz no Campo” no Acampamento Manoel Ribeiro. Foto: Resistência Camponesa.

Famílias do Acampamento resistem bravamente às intimidações policiais desde a tomada da Fazenda Nossa Senhora Aparecida. Foto: Resistência Camponesa.

Policiais do grupo de operações especiais da polícia militar em conjunto com a polícia civil aumentaram as abordagens intimidatórias nos bares e estradas das áreas Renato Nathan, Zé Bentão e Maranatã. As intimidações se intensificaram após o término da farsa eleitoral.

Todas essas áreas alvos dos ataques ficam nas proximidades do Acampamento Manoel Ribeiro e fazem parte das terras da antiga Fazenda Santa Elina que foram tomadas e cortadas pelo povo há 10 anos.

Os camponeses denunciaram que ao menos duas viaturas, uma delas identificada e outra à paisana circularam pela região abordando camponeses nas estradas e nos bares locais no dia 04 de dezembro.

Em flagrante atitude ilegal e persecutória, os policiais chegaram nos estabelecimentos comerciais empunhando armamento pesados; fotografaram os documentos e rostos dos presentes e pegaram seus números telefônicos. Por ser sexta-feira à noite, estavam bastante movimentados.

Moradores denunciaram ainda a presença de pessoas de fora da região e de policiais na sede da fazenda Nossa Senhora Aparecida nesta mesma data (04/12).

As tentativas de intimidação da repressão têm sido constantes na região rural de Chupinguaia e Corumbiara desde que os camponeses ocuparam as terras do latifúndio Nossa Senhora Aparecida no mês de agosto.

Como resultado dos frequentes ataques, veículos de trabalho dos camponeses como motos e caminhonetes já foram sequestradas nestas incursões e trabalhadores foram presos por portarem armas de caça e para defesa, o que é muito comum nas áreas rurais Brasil afora.

Durante as abordagens, em clara intenção de criminalização da luta pela terra e perseguição política contra os camponeses, os policiais perguntaram insistentemente se os trabalhadores conheciam o Acampamento Manoel Ribeiro, seus acampados e a Liga dos Camponeses Pobres. Policiais também expressaram todo seu ódio contra os trabalhadores em falas do tipo “Sem terra é tudo vagabundo! Roubam terra dos outros.” Estes fatos deixam claro mais uma vez o caráter antipovo destes cães de guarda do latifúndio que consideram todos os camponeses e povo pobre como potenciais suspeitos, enquanto os ricos latifundiários, ladrões de terras públicas, mandantes dos crimes mais hediondos, representantes do que há de mais atrasado neste sistema semifeudal e semicolonial seguem impunes.

Camponeses não se intimidam e mostram disposição de resistência

No dia 23 de outubro, trabalhadores haviam denunciado que duas viaturas da força tática da polícia militar circundaram o Acampamento Manoel Ribeiro, parando veículos no entorno e nas áreas revolucionárias vizinha.

Ao se aproximarem do Acampamento, fogos de artifício foram disparados para alertar a todos da presença dos agentes da reação.

Um grupo de camponeses prontamente se dirigiu à frente da área ocupada, onde os veículos da repressão fizeram parada. Erguendo bandeiras e suas ferramentas de trabalho (foices e enxadas), as famílias gritaram palavras de ordem e entoaram canções de luta.

Organizados, os camponeses responderam à altura contra mais uma ofensiva da polícia militar no dia 23/10/2020. Foto: Resistência Camponesa.

Vendo a disposição de luta dos camponeses, os policiais, que afirmavam estar a serviço da Operação “Paz no Campo”, recuaram e montaram um blitz na esquina da via que dá acesso ao acampamento.

Segundo denúncias dos moradores, as viaturas, vindas de Chupinguaia, fizeram parada na sede do latifúndio Nossa Senhora e montaram ao menos 4 blitzes na linha MC01, via da região rural bastante movimentada pelos que trafegam entre Chupinguaia e Corumbiara.

Um camponês, morador da região, que levava um saco de mandioca como doação para o acampamento foi parado pelos policiais que, sem permissão, fotografaram o trabalhador e também seus documentos. Em flagrante arbitrariedade os agentes ainda tentaram coagir o camponês a destravar o celular que este carregava, sem sucesso.

Outros camponeses parados nas blitzes também relataram que foram perguntados se sabiam onde teria ocorrido o chamado “Massacre de Corumbiara” e se sabiam informações sobre o acampamento.

Também segundo relatos, os policiais fizeram filmagens intimidatórias da circulação dos trabalhadores na região e sequestraram ao menos duas motos nesta ocasião.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin